31 de março de 2010

A Palavra de Deus na Vida - CNBB




Leituras Relacionadas ao dia 31/03/2010 - CNBB
Branco. 4ª-feira da Semana Santa Páscoa

1ª Leitura - Is 50,4-9a
Não desviei o rosto de bofetões e cusparadas.
(3º canto do Servo do Senhor)
Leitura do Livro do Profeta Isaías 50,4-9a
4O Senhor Deus deu-me língua adestrada,
para que eu saiba dizer
palavras de conforto à pessoa abatida;
ele me desperta cada manhã
e me excita o ouvido,
para prestar atenção como um discípulo.
5O Senhor abriu-me os ouvidos;
não lhe resisti nem voltei atrás.
6Ofereci as costas para me baterem
e as faces para me arrancarem a barba:
não desviei o rosto
de bofetões e cusparadas.
7Mas o Senhor Deus é meu Auxiliador,
por isso não me deixei abater o ânimo,
conservei o rosto impassível como pedra,
porque sei que não sairei humilhado.
8A meu lado está quem me justifica;
alguém me fará objeções? Vejamos.
Quem é meu adversário? Aproxime-se.
9aSim, o Senhor Deus é meu Auxiliador;
quem é que me vai condenar?
Palavra do Senhor.


Salmo - Sl 68, 8-10. 21bcd-22. 31. 33-34 (R. 14cb)
R. Respondei-me pelo vosso imenso amor,
neste tempo favorável, Senhor Deus.

8Por vossa causa é que sofri tantos insultos, *
e o meu rosto se cobriu de confusão;
9eu me tornei como um estranho a meus irmãos, *
como estrangeiro para os filhos de minha mãe.
10Pois meu zelo e meu amor por vossa casa *
me devoram como fogo abrasador;
e os insultos de infiéis que vos ultrajam *
recaíram todos eles sobre mim!R.

21bO insulto me partiu o coração;+
21cEu esperei que alguém de mim tivesse pena;*
21dprocurei quem me aliviasse e não achei!
22Deram-me fel como se fosse um alimento, *
em minha sede ofereceram-me vinagre!R.

31Cantando eu louvarei o vosso nome *
e agradecido exultarei de alegria!
33Humildes, vede isto e alegrai-vos: +
o vosso coração reviverá, *
se procurardes o Senhor continuamente!
34Pois nosso Deus atende à prece dos seus pobres, *
e não despreza o clamor de seus cativos.R.



Evangelho - Mt 26,14-25
O Filho do Homem vai morrer,
conforme diz a Escritura a respeito dele.
Contudo, ai daquele que o trair.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 26,14-25
Naquele tempo:
14Um dos doze discípulos, chamado Judas Iscariotes,
foi ter com os sumos sacerdotes
15e disse: "O que me dareis se vos entregar Jesus?"
Combinaram, então, trinta moedas de prata.
16E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade
para entregar Jesus.
17No primeiro dia da festa dos Ázimos,
os discípulos aproximaram-se de Jesus
e perguntaram: "Onde queres que façamos os preparativos
para comer a Páscoa?"
18Jesus respondeu: "Ide à cidade,
procurai certo homem e dizei-lhe:
"O Mestre manda dizer: o meu tempo está próximo,
vou celebrar a Páscoa em tua casa,
junto com meus discípulos"."
19Os discípulos fizeram como Jesus mandou
e prepararam a Páscoa.
20Ao cair da tarde, Jesus pôs-se à mesa
com os doze discípulos.
21Enquanto comiam, Jesus disse:
"Em verdade eu vos digo, um de vós vai me trair."
22Eles ficaram muito tristes
e, um por um, começaram a lhe perguntar:
"Senhor, será que sou eu?"
23Jesus respondeu:
"Quem vai me trair é aquele que comigo põe a mão no prato.
24O Filho do Homem vai morrer,
conforme diz a Escritura a respeito dele.
Contudo, ai daquele que trair o Filho do Homem!
Seria melhor que nunca tivesse nascido!"
25Então Judas, o traidor, perguntou:
"Mestre, serei eu?"
Jesus lhe respondeu: "Tu o dizes."
Palavra da Salvação.


Reflexão - Mt 26, 14-25
O amor que Deus tem por todas as pessoas nunca foi plenamente correspondido, pois sempre o pecado manifestou o desamor que o homem tem por ele. O episódio da traição de Judas nos mostra de um modo muito mais profundo esta verdade. O Filho, verdadeiro Deus, Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, por amor a nós, renuncia à sua condição divina e se faz homem, tornando-se um de nós. A resposta que ele encontra dos homens não é o amor, mas a traição e a morte. Mas nem mesmo esta realidade diminui o amor que Deus tem por nós, uma vez que, por amor, Jesus nos dá livremente a sua vida.


LEIA MAIS EM NOSSA PÁGINA! CLICK AQUI!

Caso não queria mais receber envie um email para webmaster@cnbb.org.br

30 de março de 2010

A Palavra de Deus na Vida - CNBB



Leituras Relacionadas ao dia 30/03/2010 - CNBB
Branco. 3ª-feira da Semana Santa Páscoa

1ª Leitura - Is 49,1-6
Eu te farei luz das nações, para que
minha salvação chegue até aos confins da terra.
(2º canto do Servo do Senhor)
Leitura do Livro do Profeta Isaías 49,1-6
1Nações marinhas, ouvi-me, povos distantes, prestai atenção:
o Senhor chamou-me antes de eu nascer,
desde o ventre de minha mãe
ele tinha na mente o meu nome;
2fez de minha palavra uma espada afiada,
protegeu-me à sombra de sua mão
e fez de mim uma flecha aguçada,
escondida em sua aljava,
3e disse-me: "Tu és o meu Servo,
Israel, em quem serei glorificado".
4E eu disse: "Trabalhei em vão,
gastei minhas forças sem fruto, inutilmente;
entretanto o Senhor me fará justiça
e o meu Deus me dará recompensa".
5E agora diz-me o Senhor
- ele que me preparou desde o nascimento
para ser seu Servo - que eu recupere Jacó para ele
e faça Israel unir-se a ele;
aos olhos do Senhor esta é a minha glória.
6Disse ele: "Não basta seres meu Servo
para restaurar as tribos de Jacó
e reconduzir os remanescentes de Israel:
eu te farei luz das nações,
para que minha salvação
chegue até aos confins da terra".
Palavra do Senhor.


Salmo - Sl 70, 1-2. 3-4a. 5-6ab. 15.17 (R.15)
R. Minha boca anunciará vossa justiça.

1Eu procuro meu refúgio em vós, Senhor:*
que eu não seja envergonhado para sempre!
2Porque sois justo, defendei-me e libertai-me!*
Escutai a minha voz, vinde salvar-me!R.

3Sede uma rocha protetora para mim,*
um abrigo bem seguro que me salve!
Porque sois a minha força e meu amparo,
o meu refúgio, proteção e segurança!
4aLibertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio.R.

5Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança,*
em vós confio desde a minha juventude!
6aSois meu apoio desde antes que eu nascesse,
6bdesde o seio maternal, o meu amparo.R.

15Minha boca anunciará todos os dias*
vossa justiça e vossas graças incontáveis.
17Vós me ensinastes desde a minha juventude,*
e até hoje canto as vossas maravilhas.R.



Evangelho - Jo 13,21-33.36-38
Um de vós me entregará...
O galo nóo cantará antes que me tenhas negado três vezes.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 13,21-33.36-38
Naquele tempo:
Estando à mesa com seus discípulos,
21Jesus ficou profundamente comovido e testemunhou:
"Em verdade, em verdade vos digo,
um de vós me entregará."
22Desconcertados,
os discípulos olhavam uns para os outros,
pois não sabiam de quem Jesus estava falando.
23Um deles, a quem Jesus amava,
estava recostado ao lado de Jesus.
24Simão Pedro fez-lhe um sinal
para que ele procurasse saber
de quem Jesus estava falando.
25Então, o discípulo,
reclinando-se sobre o peito de Jesus, perguntou-lhe:
"Senhor, quem é?"
26Jesus respondeu:
"É aquele a quem eu der o pedaço de pão
passado no molho."
Então Jesus molhou um pedaço de pão
e deu-o a Judas, filho de Simão Iscariotes.
27Depois do pedaço de pão,
Satanás entrou em Judas.
Então Jesus lhe disse:
"O que tens a fazer, executa-o depressa."
28Nenhum dos presentes compreendeu
por que Jesus lhe disse isso.
29Como Judas guardava a bolsa, alguns pensavam
que Jesus lhe queria dizer:
"Compra o que precisamos para a festa",
ou que desse alguma coisa aos pobres.
30Depois de receber o pedaço de pão,
Judas saiu imediatamente.
Era noite.
31Depois que Judas saiu,
disse Jesus:
"Agora foi glorificado o Filho do Homem,
e Deus foi glorificado nele.
32Se Deus foi glorificado nele,
também Deus o glorificará em si mesmo,
e o glorificará logo.
33Filhinhos,
por pouco tempo estou ainda convosco.
Vós me procurareis,
e agora vos digo, como eu disse também aos judeus:
"Para onde eu vou, vós não podeis ir".
36Simão Pedro perguntou:
"Senhor, para onde vais?"
Jesus respondeu-lhe:
"Para onde eu vou,
tu não me podes seguir agora,
mas me seguirás mais tarde."
37Pedro disse:
"Senhor, por que não posso seguir-te agora?
Eu darei a minha vida por ti!"
38Respondeu Jesus:
"Darás a tua vida por mim?
Em verdade, em verdade te digo:
o galo não cantará antes que me tenhas negado três vezes."
Palavra da Salvação.


Reflexão - Jo 13, 21-33.36-38
Mesmo entre os discípulos de Jesus, a humanidade, com a sua fraqueza, falou mais alto nos momentos mais difíceis. Todos estão à mesa com ele, celebrando a Páscoa, mas ninguém está pronto para viver a Páscoa de Jesus. Judas Iscariotes abandona a mesa celebrativa para procurar os sumos sacerdotes e trair Jesus. Simão Pedro afirma que dará a vida por Jesus e, como resposta, ouve a profecia de que o negará três vezes ainda naquela noite. Com exceção de João, que esteve acompanhando Jesus até o alto do Calvário, todos os demais se dispersaram.


LEIA MAIS! CLICK AQUI!

Caso não queria mais receber envie um email para webmaster@cnbb.org.br

29 de março de 2010

Sonho de padre Paolino, Reserva do Médio Iaco está em fase final de criação | agazeta.net

Sonho de padre Paolino, Reserva do Médio Iaco está em fase final de criação agazeta.net

Maria, associada ao mistério do sofrimento redentor de Cristo


A Cruz é o único sacrifício de Cristo, "único mediador entre Deus e os homens" (1Tm 2, 5). Mas pelo fato de que, em sua Pessoa Divina encarnada, "de certo modo uniu a si mesmo todos os homens", "oferece a todos os homens, de uma forma que Deus conhece, a possibilidade de serem associados ao Mistério Pascal". Chama seus discípulos a "tomar sua cruz e a segui-lo", pois "sofreu por nós, deixou-nos um exemplo, a fim de que sigamos seus passos". 

Ele quer associar a seu sacrifício redentor aqueles mesmos que são os primeiros beneficiários dele. Isto realiza-se de maneira suprema em sua Mãe, associada mais intimamente do que qualquer outra pessoa ao mistério de seu sofrimento redentor: "Fora da Cruz não existe outra escada por onde se possa subir ao céu" (Santa Rosa de Lima).


Catecismo da Igreja Católica, nº 618

 
 
























fr Charlie, osm
[http://epjp.wordpress.com] * [http://somosservos.blogspot.com]

Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco. Bendita sois Vós entre as mulheres, bendito é o fruto de Vosso ventre, Jesus.
À vossa protecção nos acolhemos Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e Bendita!

A Palavra de Deus na Vida - CNBB




Leituras Relacionadas ao dia 29/03/2010 - CNBB
Branco. 2ª-feira da Semana Santa Páscoa

1ª Leitura - Is 42,1-7
Ele não clama nem levanta a voz,
nem se faz ouvir pelas ruas.
(1º canto do Servo do Senhor).
Leitura do Livro do Profeta Isaías 42,1-7
1"Eis o meu servo - eu o recebo;
eis o meu eleito - nele se compraz minh"alma;
pus meu espírito sobre ele,
ele promoverá o julgamento das nações.
2Ele não clama nem levanta a voz,
nem se faz ouvir pelas ruas.
3Não quebra uma cana rachada
nem apaga um pavio que ainda fumega;
mas promoverá o julgamento para obter a verdade.
4Não esmorecerá nem se deixará abater,
enquanto não estabelecer a justiça na terra;
os países distantes esperam seus ensinamentos."
5Isto diz o Senhor Deus,
que criou o céu e o estendeu,
firmou a terra e tudo que dela germina,
que dá a respiração aos seus habitantes
e o sopro da vida ao que nela se move:
6"Eu, o Senhor, te chamei para a justiça
e te tomei pela mão;
eu te formei e te constituí como o centro
de aliança do povo, luz das nações,
7para abrires os olhos dos cegos,
tirar os cativos da prisão,
livrar do cárcere os que vivem nas trevas.
Palavra do Senhor.


Salmo - Sl 26, 1. 2. 3. 13-14 (R. 1a)
R. O Senhor é minha luz e salvação.

1O Senhor é minha luz e salvação; *
de quem eu terei medo?
O Senhor é a proteção da minha vida; *
perante quem eu tremerei?R.

2Quando avançam os malvados contra mim, *
querendo devorar-me,
são eles, inimigos e opressores, *
que tropeçam e sucumbem.R.

3Se contra mim um exército se armar, *
não temerá meu coração;
se contra mim uma batalha estourar, *
mesmo assim confiarei.R.

13Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver *
na terra dos viventes.
14Espera no Senhor e tem coragem, * R.



Evangelho - Jo 12,1-11
Deixa-a; ela fez isto
em vista do dia de minha sepultura.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 12,1-11
1Seis dias antes da Páscoa,
Jesus foi para Betânia,
onde morava Lázaro,
que ele havia ressuscitado dos mortos.
2Ali ofereceram a Jesus um jantar;
Marta servia
e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele.
3Maria, tomando quase meio litro de perfume
de nardo puro e muito caro,
ungiu os pés de Jesus e enxugou-os com seus cabelos.
A casa inteira ficou cheia do perfume do bálsamo.
4Então, falou Judas Iscariotes,
um dos seus discípulos,
aquele que o havia de entregar:
5"Por que não se vendeu este perfume
por trezentas moedas de prata,
para as dar aos pobres?"
6Judas falou assim, não porque se preocupasse com os pobres,
mas porque era ladrão;
ele tomava conta da bolsa comum
e roubava o que se depositava nela.
7Jesus, porém, disse:
"Deixa-a; ela fez isto
em vista do dia de minha sepultura.
8Pobres, sempre os tereis convosco,
enquanto a mim, nem sempre me tereis."
9Muitos judeus, tendo sabido que Jesus estava em Betânia,
foram para lá,
não só por causa de Jesus,
mas também para verem Lázaro,
que Jesus havia ressuscitado dos mortos.
10Então, os sumos sacerdotes decidiram matar também Lázaro,
11porque, por causa dele,
muitos deixavam os judeus
e acreditavam em Jesus.
Palavra do Senhor.


Reflexão - Jo 12, 1-11
A vida e as atitudes de Jesus sempre causaram reações contraditórias de aceitação ou rejeição. A morte de Jesus também não foi diferente. Para os principais dentre os judeus, a morte de Jesus significou a realização dos seus planos e uma vitória conquistada no sentido da manutenção da ordem estabelecida. Para o poder romano, não significou nada, pois ele foi mais um entre os muitos que são condenados à morte. Mas quem o amava, houve um momento de carinho e atenção à sua pessoa antes que a morte chegasse trazendo o sofrimento, a dor e a separação.


LEIA MAIS! CLICK AQUI!


28 de março de 2010

A Palavra de Deus na Vida - CNBB




Leituras Relacionadas ao dia 28/03/2010 - CNBB
Vermelho. Domingo de Ramos da Paixão do Senhor Quaresma

1ª Leitura - Is 50,4-7
Não desviei meu rosto das bofetadas e
cusparadas; sei que não serei humilhado.
Leitura do Livro do Profeta Isaías 50,4-7
4O Senhor Deus deu-me língua adestrada,
para que eu saiba dizer
palavras de conforto à pessoa abatida;
ele me desperta cada manhã e me excita o ouvido,
para prestar atenção como um discípulo.
5O Senhor abriu-me os ouvidos;
não lhe resisti nem voltei atrás.
6Ofereci as costas para me baterem e
as faces para me arrancarem a barba;
não desviei o rosto de bofetões e cusparadas.
7Mas o Senhor Deus é meu Auxiliador,
por isso não me deixei abater o ânimo,
conservei o rosto impassível como pedra,
porque sei que não sairei humilhado.
Palavra do Senhor.


Salmo - Sl 21,8-9.17-18a.19-20.23-24 (R.2a)
R. Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?

8Riem de mim todos aqueles que me vêem,*
torcem os lábios e sacodem a cabeça:
9"Ao Senhor se confiou, ele o liberte*
e agora o salve, se é verdade que ele o ama!"R.

17Cães numerosos me rodeiam furiosos,*
e por um bando de malvados fui cercado.
Transpassaram minhas mãos e os meus pés
18e eu posso contar todos os meus ossos.*
Eis que me olham e, ao ver-me, se deleitam! R.

19Eles repartem entre si as minhas vestes*
e sorteiam entre si a minha túnica.
20Vós, porém, ó meu Senhor, não fiqueis longe,*
ó minha força, vinde logo em meu socorro! R.

23Anunciarei o vosso nome a meus irmãos*
e no meio da assembléia hei de louvar-vos!
24Vós que temeis ao Senhor Deus, dai-lhe louvores,
glorificai-o, descendentes de Jacó,*
e respeitai-o toda a raça de Israel!R.


2ª Leitura - Fl 2,6-11
Humilhou-se a si mesmo; por isso,
Deus o exaltou acima de tudo.
Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses 2,6-11

6Jesus Cristo, existindo em condição divina,
não fez do ser igual a Deus uma usurpação,
7mas ele esvaziou-se a si mesmo,
assumindo a condição de escravo
e tornando-se igual aos homens.
Encontrado com aspecto humano,
8humilhou-se a si mesmo,
fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz.
9Por isso, Deus o exaltou acima de tudo
e lhe deu o Nome que está acima de todo nome.
10Assim, ao nome de Jesus,
todo joelho se dobre no céu,
na terra e abaixo da terra,
11e toda lingua proclame : "Jesus Cristo é o Senhor",
para a glória de Deus Pai.
Palavra do Senhor.



Evangelho - Procissão - Lc 19,28-40
Bendito o que vem em nome do Senhor.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 19,28-40

Naquele tempo:
28Jesus caminhava à frente dos discípulos,
subindo para Jerusalém.
29Quando se aproximou de Betfagé e Betânia,
perto do monte chamado das Oliveiras,
enviou dois de seus discípulos, dizendo:
30"Ide ao povoado ali na frente.
Logo na entrada encontrareis um jumentinho amarrado,
que nunca foi montado.
Desamarrai-o e trazei-o aqui.
31Se alguém, por acaso, vos perguntar:
"Por que desamarrais o jumentinho?",
respondereis assim: "O Senhor precisa dele"."
32Os enviados partiram e encontraram tudo
exatamente como Jesus lhes havia dito.
33Quando desamarravam o jumentinho,
os donos perguntaram:
"Por que estais desamarrando o jumentinho?"
34Eles responderam: "O Senhor precisa dele."
35E levaram o jumentinho a Jesus.
Então puseram seus mantos sobre o animal
e ajudaram Jesus a montar.
36E enquanto Jesus passava,
o povo ia estendendo suas roupas no caminho.
37Quando chegou perto da descida do monte das Oliveiras,
a multidão dos discípulos,
aos gritos e cheia de alegria,
começou a louvar a Deus
por todos os milagres que tinha visto.
38Todos gritavam:
"Bendito o Rei, que vem em nome do Senhor!
Paz no céu e glória nas alturas!"
39Do meio da multidão, alguns dos fariseus
disseram a Jesus:
"Mestre, repreende teus discípulos!"
40Jesus, porém, respondeu: "Eu vos declaro:
se eles se calarem, as pedras gritarão."
Palavra da Salvação.



Evangelho - Lc 22,14-23,56
Desejei ardentemente comer convosco esta ceia pascal, antes de sofrer.
Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo Lucas 22,14-23,56
14Quando chegou a hora,
Jesus pôs-se à mesa com os apóstolos
15e disse: "Desejei ardentemente comer convosco
esta ceia pascal, antes de sofrer.
16Pois eu vos digo que nunca mais a comerei,
até que ela se realize no Reino de Deus".
17Então Jesus tomou um cálice, deu graças e disse:
"Tomai este cálice e reparti entre vós;
18pois eu vos digo que, de agora em diante,
não mais bebereis do fruto da videira,
até que venha o Reino de Deus".
Fazei isto em memória de mim.
19A seguir, Jesus tomou um pão, deu graças,
partiu-o e deu-o aos discípulos, dizendo:
"Isto é o meu corpo, que é dado por vós.
Fazei isto em memória de mim".
20Depois da ceia,
Jesus fez o mesmo com o cálice, dizendo:
"Este cálice é a nova aliança no meu sangue,
que é derramado por vós".
Mas ai daquele por meio de quem o Filho do Homem é entregue.
21"Todavia, a mão de quem me vai entregar
está comigo, nesta mesa.
22Sim, o Filho do Homem vai morrer,
como está determinado.
Mas ai daquele homem por meio de quem ele é entregue."
23Então os apóstolos começaram a perguntar uns aos outros
qual deles haveria de fazer tal coisa.
Eu, porém, estou no meio de vós como aquele que serve.
24Houve também uma discussão entre eles
sobre qual deles deveria ser considerado o maior.
25Jesus, porém, lhes disse:
"Os reis das nações dominam sobre elas,
e os que têm poder se fazem chamar benfeitores.
26Entre vós, não deve ser assim. Pelo contrário,
o maior entre vós seja como o mais novo,
e o que manda, como quem está servindo.
27Afinal, quem é o maior:
quem está sentado à mesa, ou quem está servindo?
Não é quem está sentado à mesa?
Eu, porém, estou no meio de vós como aquele que serve.
28Vós ficastes comigo em minhas provações.
29Por isso, assim como o meu Pai me confiou o Reino,
eu também vos confio o Reino.
30Vós havereis de comer e beber à minha mesa no meu
Reino, e sentar-vos em tronos
para julgar as doze tribos de Israel.
Tu, uma vez convertido, fortalece os teus irmãos.
31Simão, Simão! Olha que Satanás pediu permissóo
para vos peneirar como trigo.
32Eu, porém, rezei por ti, para que tua fé não se apague.
E tu, uma vez convertido, fortalece os teus irmãos."
33Mas Simão disse: "Senhor, eu estou pronto
para ir contigo até mesmo à prisão e à morte!"
34Jesus, porém, respondeu:
"Pedro, eu te digo que hoje, antes que o galo cante,
três vezes tu negarás que me conheces."
É preciso que se cumpra em mim a palavra da Escritura.
35E Jesus lhes perguntou: "Quando vos enviei sem bolsa,
sem sacola, sem sandálias, faltou-vos alguma coisa?"
Eles responderam: "Nada."
36Jesus continuou: "Agora, porém,
quem tiver bolsa, deve pegá-la;
do mesmo modo, quem tiver uma sacola;
e quem não tiver espada,
venda o manto para comprar uma.
37Porque eu vos digo:
É preciso que se cumpra em mim a palavra da Escritura:
`Ele foi contado entre os malfeitores".
Pois o que foi dito a meu respeito tem de se realizar."
38Mas eles disseram: "Senhor, aqui estão duas espadas."
Jesus respondeu: "Basta."
Tomado de angústia, Jesus rezava com mais insistência.
39Jesus saiu e, como de costume,
foi para o monte das Oliveiras.
Os discípulos o acompanharam.
40Chegando ao lugar, Jesus lhes disse:
"Orai para não entrardes em tentação."
41Então afastou-se a uma certa distância
e, de joelhos, começou a rezar:
42"Pai, se queres, afasta de mim este cálice;
contudo, não seja feita a minha vontade, mas a tua!"
43Apareceu-lhe um anjo do céu, que o confortava.
44Tomado de angústia, Jesus rezava com mais insistência.
Seu suor tornou-se como gotas de sangue
que caíam no chão.
45Levantando-se da oração,
Jesus foi para junto dos discípulos
e encontrou-os dormindo, de tanta tristeza.
46E perguntou-lhes: "Por que estais dormindo?
Levantai-vos e orai para não entrardes em tentação."
udas, com um beijo tu entregas o Filho do Homem?
47Jesus ainda falava, quando chegou uma multidão.
Na frente, vinha um dos Doze, chamado Judas,
que se aproximou de Jesus para beijá-lo.
48Jesus lhe disse:
"Judas, com um beijo tu entregas o Filho do Homem?"
49Vendo o que ia acontecer,
os que estavam com Jesus disseram:
"Senhor, vamos atacá-los com a espada?"
50E um deles feriu o empregado do Sumo Sacerdote,
cortando-lhe a orelha direita.
51Jesus, porém, ordenou: "Deixai, basta!"
E tocando a orelha do homem, o curou.
52Depois Jesus disse aos sumos sacerdotes,
aos chefes dos guardas do templo e aos ancióos,
que tinham vindo prendê-lo:
"Vós saístes com espadas e paus,
como se eu fosse um ladrão?
53Todos os dias eu estava convosco no templo,
e nunca levantastes a mão contra mim.
Mas esta é a vossa hora, a hora do poder das trevas."
Pedro saiu para fora e chorou amargamente.
54Eles prenderam Jesus e o levaram,
conduzindo-o à casa do Sumo Sacerdote.
Pedro acompanhava de longe.
55Eles acenderam uma fogueira no meio do pátio
e sentaram-se ao redor.
Pedro sentou-se no meio deles.
56Ora, uma criada viu Pedro sentado perto do fogo;
encarou-o bem e disse:
"Este aqui também estava com ele!"
57Mas Pedro negou: "Mulher, eu nem o conheço!"
58Pouco depois, um outro viu Pedro e disse:
"Tu também és um deles."
Mas Pedro respondeu: "Homem, não sou ."
59Passou mais ou menos uma hora, e um outro insistia:
"Certamente, este aqui também estava com ele,
porque é galileu!"
Mas Pedro respondeu:
60"Homem, não sei o que estás dizendo!"
Nesse momento,
enquanto Pedro ainda falava, um galo cantou.
61Então o Senhor se voltou e olhou para Pedro.
E Pedro lembrou-se da palavra
que o Senhor lhe tinha dito:
"Hoje, antes que o galo cante, três vezes me negarás."
62Então Pedro saiu para fora e chorou amargamente.
Profetiza quem foi que te bateu?
63Os guardas caçoavam de Jesus e espancavam-no;
64cobriam o seu rosto e lhe diziam:
"Profetiza quem foi que te bateu?"
65E o insultavam de muitos outros modos.
Levaram Jesus ao tribunal deles.
66Ao amanhecer, os anciãos do povo,
os sumos sacerdotes e os mestres da Lei
reuniram-se em conselho
e levaram Jesus ao tribunal deles.
67E diziam: "Se és o Cristo, dize-nos!" Jesus respondeu:
"Se eu vos disser, não me acreditareis,
68e, se eu vos fizer perguntas, não me respondereis.
69Mas, de agora em diante, o Filho do Homem
estará sentado à direita do Deus Poderoso."
70Então todos perguntaram:
"Tu és, portanto, o Filho de Deus?"
Jesus respondeu:
"Vós mesmos estais dizendo que eu sou!"
71Eles disseram:
"Será que ainda precisamos de testemunhas?
Nós mesmos o ouvimos de sua própria boca!"
23,1Em seguida, toda a multidóo se levantou
e levou Jesus a Pilatos.
Não encontro neste homem nenhum crime.
2Começaram então a acusá-lo, dizendo:
"Achamos este homem
fazendo subversão entre o nosso povo,
proibindo pagar impostos a César
e afirmando ser ele mesmo Cristo, o Rei."
3Pilatos o interrogou: "Tu és o rei dos judeus?"
Jesus respondeu, declarando: "Tu o dizes!"
4Então Pilatos disse aos sumos sacerdotes e à multidão:
"Não encontro neste homem nenhum crime."
5Eles, porém, insistiam: "Ele agita o povo,
ensinando por toda a Judéia,
desde a Galiléia, onde começou, até aqui."
6Quando ouviu isto, Pilatos perguntou:
"Este homem é galileu?"
7Ao saber que Jesus estava sob a autoridade de Herodes,
Pilatos enviou-o a este,
pois também Herodes estava em Jerusalém naqueles dias.
Herodes, com seus soldados, tratou Jesus com desprezo.
8Herodes ficou muito contente ao ver Jesus,
pois havia muito tempo desejava vê-lo.
Já ouvira falar a seu respeito
e esperava vê-lo fazer algum milagre.
9Ele interrogou-o com muitas perguntas.
Jesus, porém, nada lhe respondeu.
10Os sumos sacerdotes e os mestres da Lei
estavam presentes e o acusavam com insistência.
11Herodes, com seus soldados, tratou Jesus com desprezo,
zombou dele, vestiu-o com uma roupa vistosa
e mandou-o de volta a Pilatos.
12Naquele dia Herodes e Pilatos
ficaram amigos um do outro, pois antes eram inimigos.
Pilatos entregou Jesus à vontade deles.
13Entóo Pilatos convocou os sumos sacerdotes,
os chefes e o povo, e lhes disse:
14"Vós me trouxestes este homem
como se fosse um agitador do povo.
Pois bem! Já o interroguei diante de vós
e nóo encontrei nele
nenhum dos crimes de que o acusais;
15nem Herodes, pois o mandou de volta para nós.
Como podeis ver, ele nada fez para merecer a morte.
16Portanto, vou castigá-lo e o soltarei.
18Toda a multidão começou a gritar:
"Fora com ele! Solta-nos Barrabás!"
19Barrabás tinha sido preso
por causa de uma revolta na cidade e por homicídio.
20Pilatos falou outra vez à multidão,
pois queria libertar Jesus.
21Mas eles gritavam: "Crucifica-o! Crucifica-o!"
22E Pilatos falou pela terceira vez:
"Que mal fez este homem?
Não encontrei nele nenhum crime que mereça a morte.
Portanto, vou castigá-lo e o soltarei."
23Eles, porém, continuaram a gritar com toda a força,
pedindo que fosse crucificado.
E a gritaria deles aumentava sempre mais.
24Então Pilatos decidiu
que fosse feito o que eles pediam.
25Soltou o homem que eles queriam
- aquele que fora preso por revolta e homicídio -
e entregou Jesus à vontade deles.
Filhas de Jerusalém, não choreis por mim!
26Enquanto levavam Jesus,
pegaram um certo Simão, de Cirene,
que voltava do campo,
e impuseram-lhe a cruz para carregá-la atrás de Jesus.
27Seguia-o uma grande multidão do povo
e de mulheres que batiam no peito e choravam por ele.
28Jesus, porém, voltou-se e disse:
"Filhas de Jerusalém, nóo choreis por mim!
Chorai por vós mesmas e por vossos filhos!
29Porque dias virão em que se dirá:
"Felizes as mulheres que nunca tiveram filhos,
os ventres que nunca deram à luz
e os seios que nunca amamentaram".
30Entóo começarão a pedir às montanhas:
"Caí sobre nós! e às colinas: "Escondei-nos!"
31Porque, se fazem assim com a árvore verde,
o que não farão com a árvore seca?"
32Levavam também outros dois malfeitores
para serem mortos junto com Jesus.
Pai, perdoa-lhes! Eles não sabem o que fazem!
33Quando chegaram ao lugar chamado "Calvário",
ali crucificaram Jesus e os malfeitores:
um à sua direita e outro à sua esquerda.
34Jesus dizia: "Pai, perdoa-lhes!
Eles não sabem o que fazem!"
Depois fizeram um sorteio,
repartindo entre si as roupas de Jesus.
Este é o Rei dos Judeus.
35O povo permanecia lá, olhando.
E até os chefes zombavam, dizendo:
"A outros ele salvou. Salve-se a si mesmo,
se, de fato, é o Cristo de Deus, o Escolhido!"
36Os soldados também caçoavam dele;
aproximavam-se, ofereciam-lhe vinagre,
37e diziam: "Se és o rei dos judeus,
salva-te a ti mesmo!"
38Acima dele havia um letreiro:
"Este é o Rei dos Judeus."
Hoje estarás comigo no Paraíso.
39Um dos malfeitores crucificados o insultava, dizendo:
"Tu não és o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós!"
40Mas o outro o repreendeu, dizendo:
"Nem sequer temes a Deus,
tu que sofres a mesma condenação?
41Para nós, é justo,
porque estamos recebendo o que merecemos;
mas ele não fez nada de mal."
42E acrescentou: "Jesus, lembra-te de mim,
quando entrares no teu reinado."
43Jesus lhe respondeu: "Em verdade eu te digo:
ainda hoje estarás comigo no Paraíso."
Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito.
44Já era mais ou menos meio-dia
e uma escuridão cobriu toda a terra
até às três horas da tarde,
45pois o sol parou de brilhar.
A cortina do santuário rasgou-se pelo meio,
46e Jesus deu um forte grito:
"Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito."
Dizendo isso, expirou.
Aqui todos se ajoelham e faz-se uma pausa.
47O oficial do exército romano viu o que acontecera
e glorificou a Deus dizendo:
"De fato! Este homem era justo!"
48E as multidões, que tinham acorrido para assistir,
viram o que havia acontecido,
e voltaram para casa, batendo no peito.
49Todos os conhecidos de Jesus, bem como as mulheres
que o acompanhavam desde a Galiléia,
ficaram à distância, olhando essas coisas.
José colocou o corpo de Jesus num túmulo escavado na rocha.
50Havia um homem bom e justo, chamado José,
membro do Conselho,
51o qual não tinha aprovado a decisão
nem a ação dos outros membros.
Ele era de Arimatéia, uma cidade da Judéia,
e esperava a vinda do Reino de Deus.
52José foi ter com Pilatos e pediu o corpo de Jesus.
53Desceu o corpo da cruz, enrolou-o num lençol
e colocou-o num túmulo escavado na rocha,
onde ninguém ainda tinha sido sepultado.
54Era o dia da preparação da Páscoa,
e o sábado já estava começando.
55As mulheres, que tinham vindo da Galiléia com Jesus,
foram com José, para ver o túmulo
e como o corpo de Jesus ali fora colocado.
56Depois voltaram para casa
e prepararam perfumes e bálsamos.
E, no sábado, elas descansaram,
conforme ordenava a Lei.
Palavra da Salvação.


Evangelho - Lc 23,1-49
Evangelho (mais breve)
Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo Lucas 23,1-49
Naquele tempo:
1Toda a multidão se levantou
e levou Jesus a Pilatos.
Não encontro neste homem nenhum crime.
2Começaram então a acusá-lo, dizendo:
"Achamos este homem
fazendo subversão entre o nosso povo,
proibindo pagar impostos a César
e afirmando ser ele mesmo Cristo, o Rei."
3Pilatos o interrogou: "Tu és o rei dos judeus?"
Jesus respondeu, declarando: "Tu o dizes!"
4Então Pilatos disse aos sumos sacerdotes e à multidóo:
"Não encontro neste homem nenhum crime."
5Eles, porém, insistiam: "Ele agita o povo,
ensinando por toda a Judéia,
desde a Galiléia, onde começou, até aqui."
6Quando ouviu isto, Pilatos perguntou:
"Este homem é galileu?"
7Ao saber que Jesus estava sob a autoridade de Herodes,
Pilatos enviou-o a este,
pois também Herodes estava em Jerusalém naqueles dias.
Herodes, com seus soldados, tratou Jesus com desprezo.
8Herodes ficou muito contente ao ver Jesus,
pois havia muito tempo desejava vê-lo.
Já ouvira falar a seu respeito
e esperava vê-lo fazer algum milagre.
9Ele interrogou-o com muitas perguntas.
Jesus, porém, nada lhe respondeu.
10Os sumos sacerdotes e os mestres da Lei
estavam presentes e o acusavam com insistência.
11Herodes, com seus soldados, tratou Jesus com desprezo,
zombou dele, vestiu-o com uma roupa vistosa
e mandou-o de volta a Pilatos.
12Naquele dia Herodes e Pilatos
ficaram amigos um do outro, pois antes eram inimigos.
Entregou Jesus à vontade deles.
13Então Pilatos convocou os sumos sacerdotes,
os chefes e o povo, e lhes disse:
14"Vós me trouxestes este homem
como se fosse um agitador do povo.
Pois bem! Já o interroguei diante de vós
e não encontrei nele
nenhum dos crimes de que o acusais;
15nem Herodes, pois o mandou de volta para nós.
Como podeis ver, ele nada fez para merecer a morte.
16Portanto, vou castigá-lo e o soltarei.
18Toda a multidão começou a gritar:
"Fora com ele! Solta-nos Barrabás!"
19Barrabás tinha sido preso
por causa de uma revolta na cidade e por homicídio.
20Pilatos falou outra vez à multidão,
pois queria libertar Jesus.
21Mas eles gritavam: "Crucifica-o! Crucifica-o!"
22E Pilatos falou pela terceira vez:
"Que mal fez este homem?
Não encontrei nele nenhum crime que mereça a morte.
Portanto, vou castigá-lo e o soltarei."
23Eles, porém, continuaram a gritar com toda a força,
pedindo que fosse crucificado.
E a gritaria deles aumentava sempre mais.
24Entóo Pilatos decidiu
que fosse feito o que eles pediam.
25Soltou o homem que eles queriam
- aquele que fora preso por revolta e homicídio -
e entregou Jesus à vontade deles.
Filhas de Jerusalém, não choreis por mim!
26Enquanto levavam Jesus,
pegaram um certo Simão, de Cirene,
que voltava do campo,
e impuseram-lhe a cruz para carregá-la atrás de Jesus.
27Seguia-o uma grande multidão do povo
e de mulheres que batiam no peito e choravam por ele.
28Jesus, porém, voltou-se e disse:
"Filhas de Jerusalém, não choreis por mim!
Chorai por vós mesmas e por vossos filhos!
29Porque dias viróo em que se dirá:
"Felizes as mulheres que nunca tiveram filhos,
os ventres que nunca deram à luz
e os seios que nunca amamentaram".
30Então começarão a pedir às montanhas:
"Caí sobre nós! e às colinas: "Escondei-nos!"
31Porque, se fazem assim com a árvore verde,
o que não farão com a árvore seca?"
32Levavam também outros dois malfeitores
para serem mortos junto com Jesus.
Pai, perdoa-lhes! Eles não sabem o que fazem!
33Quando chegaram ao lugar chamado "Calvário",
ali crucificaram Jesus e os malfeitores:
um à sua direita e outro à sua esquerda.
34Jesus dizia: "Pai, perdoa-lhes!
Eles não sabem o que fazem!"
Depois fizeram um sorteio,
repartindo entre si as roupas de Jesus.
Este é o Rei dos Judeus.
35O povo permanecia lá, olhando.
E até os chefes zombavam, dizendo:
"A outros ele salvou. Salve-se a si mesmo,
se, de fato, é o Cristo de Deus, o Escolhido!"
36Os soldados também caçoavam dele;
aproximavam-se, ofereciam-lhe vinagre,
37e diziam: "Se és o rei dos judeus,
salva-te a ti mesmo!"
38Acima dele havia um letreiro:
"Este é o Rei dos Judeus."
Hoje estarás comigo no Paraíso.
39Um dos malfeitores crucificados o insultava, dizendo:
"Tu não és o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós!"
40Mas o outro o repreendeu, dizendo:
"Nem sequer temes a Deus,
tu que sofres a mesma condenação?
41Para nós, é justo,
porque estamos recebendo o que merecemos;
mas ele não fez nada de mal."
42E acrescentou: "Jesus, lembra-te de mim,
quando entrares no teu reinado."
43Jesus lhe respondeu: "Em verdade eu te digo:
ainda hoje estarás comigo no Paraíso."
Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito.
44Já era mais ou menos meio-dia
e uma escuridão cobriu toda a terra
até às três horas da tarde,
45pois o sol parou de brilhar.
A cortina do santuário rasgou-se pelo meio,
46e Jesus deu um forte grito:
"Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito."
Dizendo isso, expirou.
Aqui todos se ajoelham e faz-se uma pausa.
47O oficial do exército romano viu o que acontecera
e glorificou a Deus dizendo:
"De fato! Este homem era justo!"
48E as multidões, que tinham acorrido para assistir,
viram o que havia acontecido,
e voltaram para casa, batendo no peito.
49Todos os conhecidos de Jesus, bem como as mulheres
que o acompanhavam desde a Galiléia,
ficaram à distância, olhando essas coisas.
Palavra da Salvação.


LEIA MAIS! CLICK AQUI!



27 de março de 2010

A Palavra de Deus na Vida - CNBB





Leituras Relacionadas ao dia 27/03/2010 - CNBB
Roxo. Sábado da 5ª Semana Quaresma

1ª Leitura - Ez 37,21-28
Farei deles uma nação única.
Leitura da Profecia de Ezequiel 37,21-28
21Assim diz o Senhor Deus:
"Eu mesmo vou tomar os israelitas
do meio das nações para onde foram,
vou recolhê-los de toda a parte
e reconduzi-los para a sua terra.
22Farei deles uma nação única no país,
nos montes de Israel,
e apenas um rei reinará sobre todos eles.
Nunca mais formarão duas nações,
nem tornarão a dividir-se em dois reinos.
23Não se mancharão mais com os seus ídolos
e nunca mais cometerão infames abominações.
Eu os libertarei de todo o pecado
que cometeram em sua infidelidade,
e os purificarei.
Eles serão o meu povo e eu serei o seu Deus.
24Meu servo Davi reinará sobre eles,
e haverá para todos eles um único pastor.
Viverão segundo meus preceitos
e guardarão minhas leis, pondo-as em prática.
25Habitarão no país que dei ao meu servo Jacó,
onde moraram vossos pais;
ali habitarão para sempre, também eles,
com seus filhos e netos,
e o meu servo Davi será o seu príncipe para sempre.
26Farei com eles uma aliança de paz,
será uma aliança eterna.
Eu os estabelecerei e multiplicarei,
e no meio deles colocarei meu santuário para sempre.
27Minha morada estará junto deles.
Eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.
28Assim as nações saberão que eu, o Senhor, santifico Israel,
por estar o meu santuário no meio deles para sempre."
Palavra do Senhor.


Salmo - Jr 31, 10. 11-12ab. 13 (R. Cf. 10d)
R. O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.

10Ouvi, nações, a palavra do Senhor *
e anunciai-a nas ilhas mais distantes:
"Quem dispersou Israel, vai congregá-lo, *
e o guardará qual pastor a seu rebanho!"R.

11Pois, na verdade, o Senhor remiu Jacó *
e o libertou do poder do prepotente.
12aVoltarão para o monte de Sião, +
entre brados e cantos de alegria *
12bafluirão para as bênçãos do Senhor:R.

13Então a virgem dançará alegremente, *
também o jovem e o velho exultarão;
mudarei em alegria o seu luto, *
serei consolo e conforto após a guerra.R.



Evangelho - Jo 11,45-56
E também para reunir na unidade
os filhos de Deus dispersos.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 11,45-56
Naquele tempo:
45Muitos dos judeus que tinham ido à casa de Maria
e viram o que Jesus fizera, creram nele.
46Alguns, porém, foram ter com os fariseus
e contaram o que Jesus tinha feito.
47Então os sumos sacerdotes e os fariseus
reuniram o Conselho e disseram:
"O que faremos?
Este homem realiza muitos sinais.
48Se deixamos que ele continue assim,
todos vão acreditar nele,
e virão os romanos
e destruirão o nosso Lugar Santo e a nossa nação."
49Um deles, chamado Caifás,
sumo sacerdote em função naquele ano, disse:
"Vós não entendeis nada.
50Não percebeis que é melhor um só morrer pelo povo
do que perecer a nação inteira?"
51Caifás não falou isso por si mesmo.
Sendo sumo sacerdote em função naquele ano,
profetizou que Jesus iria morrer pela nação.
52E não só pela nação,
mas também para reunir os filhos de Deus dispersos.
53A partir desse dia, as autoridades
judaicas tomaram a decisão de matar Jesus.
54Por isso,
Jesus não andava mais em público no meio dos judeus.
Retirou-se para uma região perto do deserto,
para a cidade chamada Efraim.
Ali permaneceu com os seus discípulos.
55A Páscoa dos judeus estava próxima.
Muita gente do campo tinha subido a Jerusalém
para se purificar antes da Páscoa.
56Procuravam Jesus
e, ao reunirem-se no Templo, comentavam entre si:
"O que vos parece?
Será que ele não vem para a festa?"
Palavra da Salvação.


Reflexão - Jo 11, 45-56
Jesus, caminho, verdade e vida, é condenado à morte antes do seu próprio julgamento. Os sumos sacerdotes e os fariseus não conheceram Jesus, não souberam perceber o tempo em que foram visitados e não descobriram o sentido mais profundo da sua presença na história da humanidade. Quem conhece Jesus, o Deus da Vida, constrói a vida, mas quem não o conhece, mata! Evangelizar significa também apresentar Jesus como o Deus da Vida presente no meio de nós, a fim de que, ao reconhecer essa presença, as pessoas entendam que ser cristão significa ser compromissado com a vida e ser capaz de transformar essa sociedade de morte.


LEIA MAIS! CLICK AQUI!

26 de março de 2010

A Palavra de Deus na Vida - CNBB




Leituras Relacionadas ao dia 26/03/2010 - CNBB
Roxo. 6ª-feira da 5ª Semana Quaresma

1ª Leitura - Jr 20,10-13
Ele salvou das mãos dos malvados a vida do pobre.
Leitura do Livro do Profeta Jeremias 20,10-13
Jeremias disse:
10Eu ouvi as injúrias de tantos homens
e os vi espalhando o medo em redor:
"Denunciai-o, denunciemo-lo."
Todos os amigos observavam minhas falhas:
"Talvez ele cometa um engano e nós poderemos apanhá-lo
e desforrar-nos dele."
11Mas o Senhor está ao meu lado, como forte guerreiro;
por isso, os que me perseguem
cairão vencidos.
Por não terem tido êxito,
eles se cobrirão de vergonha.
Eterna infâmia, que nunca se apaga!
12O Senhor dos exércitos, que provas o homem justo
e vês os sentimentos do coração,
rogo-te me faças ver tua vingança sobre eles;
pois eu te declarei a minha causa.
13Cantai ao Senhor, louvai o Senhor,
pois ele salvou a vida de um pobre homem
das mãos dos maus.
Palavra do Senhor.


Salmo - Sl 17, 2-3a. 3bc-4. 5-6. 7 (R. Cf. 7)
R. Ao Senhor eu invoquei na minha angústia
e ele escutou a minha voz.

2Eu vos amo, ó Senhor! Sois minha força, *
3aminha rocha, meu refúgio e Salvador!R.

3bÓ meu Deus, sois o rochedo que me abriga, +
3cminha força e poderosa salvação, *
sois meu escudo e proteção: em vós espero!
4Invocarei o meu Senhor: a ele a glória! *
e dos meus perseguidores serei salvo!R.

5Ondas da morte me envolveram totalmente, *
e as torrentes da maldade me aterraram;
6os laços do abismo me amarraram *
e a própria morte me prendeu em suas redes.R.

7Ao Senhor eu invoquei na minha angústia *
e elevei o meu clamor para o meu Deus;
de seu Templo ele escutou a minha voz, *
e chegou a seus ouvidos o meu grito.R.



Evangelho - Jo 10,31-42
Procuravam prender Jesus,
mas ele escapou-lhes das mãos.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 10,31-42
Naquele tempo:
31Os judeus pegaram pedras
para apedrejar Jesus.
32E ele lhes disse:
"Por ordem do Pai,
mostrei-vos muitas obras boas.
Por qual delas me quereis apedrejar?"
33Os judeus responderam:
"Nóo queremos te apedrejar por causa das obras boas,
mas por causa de blasfêmia,
porque sendo apenas um homem,
tu te fazes Deus!"
34Jesus disse:
"Acaso não está escrito na vossa Lei:
"Eu disse: vós sois deuses"?
35Ora, ninguém pode anular a Escritura:
se a Lei chama deuses
as pessoas às quais se dirigiu a palavra de Deus,
36por que entóo me acusais de blasfêmia,
quando eu digo que sou Filho de Deus,
eu a quem o Pai consagrou
e enviou ao mundo?
37Se não faço as obras do meu Pai,
não acrediteis em mim.
38Mas, se eu as faço,
mesmo que não queirais acreditar em mim,
acreditai nas minhas obras,
para que saibais e reconheçais
que o Pai está em mim e eu no Pai."
39Outra vez procuravam prender Jesus,
mas ele escapou das mãos deles.
40Jesus passou para o outro lado do Jordão,
e foi para o lugar onde, antes, João tinha batizado.
E permaneceu ali.
41Muitos foram ter com ele,
e diziam:
"João não realizou nenhum sinal,
mas tudo o que ele disse a respeito deste homem,
é verdade."
42E muitos, ali, acreditaram nele.
Palavra da Salvação.


Reflexão - Jo 10, 31-42
Quando a gente não está com o coração aberto, não está disposto a acolher a palavra de Jesus, não querendo de fato assumir um compromisso de fé com Deus e com os irmãos, não buscando novos valores e não querendo uma constante mudança de vida para cada vez mais procurar uma união mais íntima e profunda com Deus, qualquer coisa torna-se motivo para a crítica e para a rejeição de Jesus. Assim aconteceu com os judeus, que não quiseram abandonar antigos valores para viver valores novos e mais plenos, sempre procuraram motivos para dizer que eles estavam certos e Jesus estava errado.


LEIA MAIS! CLICK AQUI!

Seguidores

Google+ Followers

Viva Nossa Senhora!

Wikipedia

Resultados da pesquisa

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email