ZENIT - O mundo visto de Roma

Fides News Português

Gaudiumpress Feed

25 de outubro de 2008

Senhor, quem habitará na tua casa?

(Jatobá)


Quem habitará na tua casa, Senhor, quem repousará na tua santa montanha?

Aquele que caminha, apesar da noite e do vento, e fitando sem cessar, a tua estrela. No céu o acolherás!

Aquele que não deixa o manto da verdade e põe sua força na arma da fé. No céu o acolherás!

Aquele que fecha seus ouvidos à canção do mal e só abre a boca para proferir o bem. No céu o acolherás!

Aquele que não se cansa de estender a mão aos fatigados e sabe repartir o seu pão. No céu o acolherás!

(Jocy Rodrigues - Festas Litúrgicas IV)

23 de outubro de 2008

Jesus - Ele vem com as nuvens e é o caminho

"Ele vem com as nunvens;
e o mundo todo o verá,
até mesmo aqueles que o transpassaram."
(Apocalipse 1, 8)


Ele é o Filho, que vem, que volta para nos revelar a glória definitiva.
Ele é aluz que desce dos céus e ilumina nosso viver, nosso existir.
Já não somos mais seres errantes pela vida, pois temos um caminho a seguir. Caminho que não tem desvios e nem incertezas, mas um caminho feito de um relevo propício à salvação, caminho feito de amor.
Caminho por onde pode-se observar a verdadeira luz, por onde podemos contemplar o frescor da vida plena e abundante.
Caminho que nos revela o grande banquete da vida, a salvação.
Caminho que vem com a nuvens para que todos possam ver, e nenhum olho será privado de tamanha luz, de tamanha graça.
Por isso, por tudo isso, hoje você pode proclamar que a vida é bela e é plena, você pode proclamar que vale a pena caminhar, pois Ele, Jesus, é conosco e nunca nos deixará; e vem com as nunvens para sempre nos iluminar.
Que você tenha um dia feliz cheio da paz que somente Jesus pode oferecer!

Encontro


Encontro

Desencontros

Encontro-Te de novo

Busco o desencontro

Tu me encontras

Fujo de Ti , mesmo sem querer

Tu não se cansa de me encontrar

Encontro-Te

Agora já sou eu.


Normando de Araújo Rosas Junior




Achei lindo esse poema que o Normando fez, ele é nada mais nada menos do que a realidade que acontece conosco no decorrer dessa caminhada com o nosso Pai do céu . Quantas vezes nos perdemos no meio do caminho e ficamos sem saber para onde ir ou mesmo o que fazer para voltarmos aos braços Dele!

Eu particularmente ja perdi as contas de quantas vezes me "perdi".
Algumas vezes conseguimos voltar.... Já outras estamos tão debilitados que Ele mesmo vem e nos trás de volta em seus braços.
Assim é oamor do Pai em nossas vidas!

Espero que cada um se encontre nesse poema, com certeza inspirado por Deus!

Paz e Bem para todos !

22 de outubro de 2008

"A vida é fruto da decisão de cada momento. Talvez seja por isso, que a idéia de plantio seja tão reveladora sobre a arte de viver. Viver é plantar. É atitude de constante semeadura, de deixar cair na terra de nossa existencia as mais diversas formas de sementes. Cada escolha, por menor que seja, é uma forma de semente que lançamos sobre o canteiro que somos. Um dia, tudo o que agora silenciosamente plantamos, ou deixamos plantar em nós,será plantação que poderá ser vista de longe... Para cada dia, o seu empenho. A sabedoria bíblica nos confirma isso, quando nos diz que "debaixo do céu há um tempo para cada coisa!" Hoje, neste tempo que é seu, o futuro está sendo plantado. As escolhas que você procura, os amigos que você cultiva, as leituras que você faz, os valores que você abraça, os amores que você ama, tudo será determinante para a colheita futura. Felicidade talvez seja isso: alegria de recolher da terra que somos, frutos que sejam agradáveis aos olhos! Infelicidade, talvez seja o contrário. O que não podemos perder de vista é que a vida não é real fora do cultivo. Sempre é tempo de lançar sementes... Sempre é tempo de recolher frutos. Tudo ao mesmo tempo. Sementes de ontem, frutos de hoje, Sementes de hoje, frutos de amanhã! Por isso, não perca de vista o que você anda escolhendo para deixar cair na sua terra. Cuidado com os semeadores que não lhe amam. Eles têm o poder de estragar o resultado de muitas coisas. Cuidado com os semeadores que você não conhece. Há muita maldade escondida em sorrisos sedutores... Cuidado com aqueles que deixam cair qualquer coisa sobre você, afinal, você merece muito mais que qualquer coisa. Cuidado com os amores passageiros... eles costumam deixar marcas dolorosas que não passam... Cuidado com os invasores do seu corpo... eles não costumam voltar para ajudar a consertar a desordem... Cuidado com os olhares de quem não sabe lhe amar... eles costumam lhe fazer esquecer que você vale à pena... Cuidado com as palavras mentirosas que esparramam por aí... elas costumam estragar o nosso referencial da verdade... Cuidado com as vozes que insistem em lhe recordar os seus defeitos... elas costumam prejudicar a sua visão sobre si mesmo. Não tenha medo de se olhar no espelho. É nessa cara safada que você tem, que Deus resolveu expressar mais uma vez, o amor que Ele tem pelo mundo. Não desanime de você, ainda que a colheita de hoje não seja muito feliz. Não coloque um ponto final nas suas esperanças. Ainda há muito o que fazer, ainda há muito o que plantar, e o que amar nessa vida. Ao invés de ficar parado no que você fez de errado, olhe para frente, e veja o que ainda pode ser feito... A vida ainda não terminou. E já dizia o poeta "que os sonhos não envelhecem..." Vai em frente. Sorriso no rosto e firmeza nas decisões. Deus resolveu reformar o mundo, e escolheu o seu coração para iniciar a reforma. Isso prova que Ele ainda acredita em você. E se Ele ainda acredita, quem sou eu pra duvidar... (?)Padre Fábio de Melo

21 de outubro de 2008

Como vencer!

As vezes eu não entendo os vários acontecimentos em minha vida e até quero perguntar o por quê de certas situações. No entanto as respostas não veêm e isso não quer dizer que eu esteja só, mesmo vivendo um daqueles momentos de solidão.
O fato é que esses momentos chegam e nós temos que resistir a eles.
Tenho que lutar e manter viva a chama da fé!
Mesmo quando quero desistir de tudo e ficar largarda.... Pois é aí que vem a graça de Deus: "Quando sou fraco é que sou forte", já dizia Paulo.
E realmente quando nos sentimos fracos, perdidos e sem esperanças, mas nos lançamos nos braços do Pai, Ele vem nos suprir, nos fortalecer e nos animar e aí então percebemos o quanto somos dependentes Dele, vemos que sem Ele não suportaríamos .... Todos podem nos abandonar até mesmo aqueles que pensamos ser nossos amigos que nos amam que se importam... Derepente podemos ter surpresas não muito boas, mas, com Jesus as surpresas sempre e sempre são maravilhosas.
É fácil dizer pra alguém que Deus cuida dela, dificil é se deixar ser usado por Deus para cuidar . E esse deve ser o nosso exercicio diário.
Quantas vezes nos omitimos diante do sofrimento do nosso próximo? Quantas vezes deixamos o nosso coração se tornar frio e egoista não querendo nos envolver porque nossos problemas são demais?
Enfim.... Não é fácil mas devemos continuar a luta para que a cada experiencia boa ou ruim nos possamos aprender a deixar Deus agir em nos e atravez de nós.
Sejamos missionários, testemunhando a ação do Espirito Santo em nós.

12 de outubro de 2008

Bodas de Caná - N.S.Aparecida

INTRODUÇÃO À FESTA
Estamos celebrando a Solenidade de Nossa Senhora Aparecida a Padroeira Principal do Brasil. Esta devoção teve início por volta de 1700, quando os três pescadores estavam pescando no Rio Paraíba do Sul (SP) sem muito êxito. Após algumas as tentativas pescaram o corpo e depois a cabeça da imagem da Imaculada Conceição. Eles perceberam que não estavam sozinhos. A imagem era de terracota e de cor negra. Com o tempo passou a ser chamada de Nossa Senhora da Conceição Aparecida porque foi encontrada (apareceu) no Rio Paraíba. Em 1888, foi inaugurada a chamada Basílica Velha. Em 1955, foi iniciada a Construção da atual Basílica. Em 1980, o Papa João Paulo II fez a consagração da Basílica. Em 2007, o Santuário foi a sede da V Conferência do Episcopado Latino Americano, onde o Papa Bento XVI fez a abertura solene da Conferência.
O EVANGELHO:
O Evangelho de São João tem duas grandes partes: o livro dos SINAIS (cap 1-12) e o Livro da GLORIFICAÇÃO (13-21) . 1 – O livro dos Sinais, onde Jesus se revela, através dos sinais, quem Ele é. Assim, nesta primeira parte veremos o Prólogo e os Sete sinais, que aos poucos o leitor irá descobrindo quem é Jesus Cristo. 2 – O Livro da Glorificação de Jesus. Nesta segunda parte o leitor descobrirá o que significa a Glória de Jesus. Assim, veremos a sua despedida, a paixão-glorificação e a ressurreição. Então a Comunidade que está perto de São João, descobrirá que o “Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 2,14), que fez os Sinais onde o Mestre se revela e depois confiou a Pedro a grande missão de apascentar “os cordeiros” (Jo 21,17).
O texto que a festa de Nossa Senhora Aparecida propõe é o das Bodas de Caná (Jo 2,1-11), que é o primeiro Sinal que Jesus fez. Jesus, sua mãe e os seus discípulos foram convidados para a festa de casamento. Durante a festa o vinho acabou e a mãe de Jesus disse: “eles não tem mais vinho” (Jo 2,3). Ele respondeu: “Mulher o que tem havei isso comigo. Minha hora ainda não chegou” (Jo Jo 2,4). Maria disse aos serventes: “Fazei tudo o que ele vos disser”. (Jo 2,5). Porém, o texto deverá ser lido nesta perspectiva dos símbolos e dos sinais que Jesus realizara.
O episódio de Caná acontece após uma série de fatos que sucedidos no período de seis dias em que foi “inaugurada a semana simbólica” iniciada no Evangelho de João (Jo 1,19-51).
Esta idéia é importante porque São João retoma os dados característicos do relato da Criação do mundo (Gn 1,26ss), dando origem à humanidade. Assim em Caná irá acontecer um novo tempo inaugurado por Jesus (símbolo da semana inaugural), através do primeiro sinal realizado, transformado a água em vinho, e os discípulos creram nele (Jo 2,11).
Alguns dados do texto:
- O Vinho: símbolo do amor (Ct 1,2); alegra o coração do homem (Sl 104,15); símbolo da novidade: “o vinho novo deve ser colocado em barris novos” (2,22). No contexto das Bodas de Caná, poderemos notar que com a presença de Jesus será inaugurado uma nova etapa da sua missão. E esta missão tem o caráter simbólico do vinho novo, com um sabor novo e transbordante.
- A Água: símbolo da purificação utilizada pelo povo judeu. Agora Jesus transformou esta mesma água em vinho, mostrando que a verdadeira purificação e conversão passam não mais apenas pela água, mas sim através do encontro pessoal com ELE, simbolizado no vinho novo.
- A presença de Maria, Mãe de Jesus: Maria aparece apenas como convidada. Jesus a chama de Mulher, que a muitos podem surpreender este tipo de tratamento, principalmente vindo da sua parte. Porém, Maria está simbolizando a realidade da mulher mãe, que significa todo o povo de Israel, ou ainda a realidade da nova Eva, mãe de todos os viventes que desejam ser fiéis a Cristo. A sua missão é indicar: “fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5) e não definir os tempos e as ações de Jesus.
- A realidade da HORA DE JESUS: no Evangelho Jesus disse: “mulher a minha hora ainda não chegou” (Jo 2,4). Ele será a novidade definitiva dos tempos messiânicos. Portanto a HORA DE JESUS está em sintonia com a sua glorificação e a sua partida definitiva para o Pai. Contudo a hora que não chegou em Caná, chegará no momento da Cruz, momento em que Jesus dirá: “mulher, eis o teu filho, filho eis a tua mãe” (Jo 19,26-27.29).
- A glória de Jesus: A glorificação de Jesus está intimamente unida à glória do Pai. O primeiro Sinal de Caná e os outros seis têm à finalidade de manifestar a Glória de Jesus e de suscitar a fé dos discípulos e daqueles que fazem a opção por Ele (Jo 2,11; 4,50; 9,50; 11,27). No texto chamado “Oração Sacerdotal de Jesus” (Jo 17) Jesus reza assim: “Pai, chegou a hora: Glorifica o teu Filho, para que o Filho glorifique a Ti” (Jo 17,1). “A glória do Pai e a do Filho são correlativas: o Pai glorifica o Filho e essa glória reverte no Pai. O Filho glorifica o Pai, cumprindo a obra de amor que manifesta a plena fidelidade ao projeto salvífico”. Por isso o Filho dirá quando chegar a hora da glorificação definitiva no alto da cruz: “tudo está realizado” (Jo 19,30).
(enviado por fr. João)

8 de outubro de 2008

Não digas não a Deus

Missão é procurar Jesus.
Procurar Jesus é sentir a dor do reino, dor que é feita de amor, é feita de paz, de luz e de cruz, é colocar a mão no arado e não olhar para trás, e as vezes dói demais. Procurar Jesus é se comprometer, e mesmo quando a missão doer dizer sim, para que a paz seja produzida e vivida nesta terra.
Produzir a paz é arriscar no amor de Jesus, vivendo uma fé que não busca interesses seus e que não se preocupa com as consequências de suas ações. Produzir a paz é viver uma fé que é prenúncio daquilo que há de vir, o reino de Deus, onde o Filho reina glorioso e espera por nós.
Deus não precisava de nós, mas nos chama e nos capacita a viver o amor e a paz, para assim sermos herdeiros do reino através da missão!
Que neste mês missionário nossas vidas sejam um lindo florescer do amor de Deus no meio dos irmãos. Que nossos pés trilhem os mesmos caminhos por onde Jesus passou, inclusive pela cruz.
Jesus nunca perguntou onde a estrada levava, apenas disse sim a Deus.
Que possamos dizer: por onde andam teus passos Jesus, andam também os meus.
Feliz mês missionário!
"Não digas não a Deus, mesmo que doa não digas não. Quando é teu Deus quem fala meia resposta não vai valer. Não digas não nem talvez, é do que tu disseres que vais depender." (Pe. Zezinho - Não digas não a Deus)

4 de outubro de 2008

27º Domingo Comum - A vinha do Senhor

O tema da vinha é muito importante na reflexão Bíblica. Muitas vezes Israel é designado como vinha (Jr 2,21; Ez 15,1-8, Sl 79 (80). A realidade da vinha se torna como um exemplo da história da salvação, onde Deus (Javé) revela o seu modo de agir perante o seu povo escolhido.
A parábola deste domingo se encontra também no Evangelista Marcos (12,1-12) e no Evangelista Lucas (20,9-19). Porém o caminho litúrgico mostra a reflexão sobre a vinha nos domingos anteriores (25º e 26º), onde convocava a assembléia cristã a trabalhar na vinha e a fazer a vontade do Pai, agora, esta parábola nos convida a pensar a maneira de como se trabalha na vinha, onde Deus (patrão) espera os frutos de justiça.
O Profeta Isaias fala sobre a realidade da vinha (Is 5,1-7) sob forma de parábola, na qual a vinha representa o povo de Israel e o amado (o senhor da vinha), representa Deus. A parábola lembra a vida no campo e cultivo de parreiras. O autor lembra, também, o insucesso do cultivo e diante das frustrações se pergunta: “o que poderia eu ter feito a mais por minha vinha e não fiz” Eu contava com uvas de verdade, mas, por que produziu ela uva selvagens?” (Is 5,4). Com esta realidade o profeta lembra o que o Povo de Israel não produziu os frutos de justiça que Javé esperava e portanto, dentro de uma realidade simbólica, poderemos ver que: as uvas amargas poderiam ser os pecados, as infidelidades, a opressão e as mentiras; muitas manifestações religiosas solenes, sem uma verdadeira adesão a Deus. Como conseqüência de toda esta experiência, surge o castigo de Deus: a invasão dos assírios e depois dos babilônios, que destruíram a vinha e deportaram os israelitas como escravos.
No Evangelho Jesus está em Jerusalém e no templo, centro do poder político, religioso e econômico daquela época. A parábola, deste domingo, revela um dos grandes conflitos de Jesus com as autoridades judaicas. A história da parábola mostra quem são os verdadeiros vinhateiros: os anciãos do povo e os chefes dos sacerdotes.
Então um Senhor planta uma vinha com todo o cuidado e a confia a uns vinhateiros, conhecedores da profissão. “Quando chegou o tempo da colheita, o proprietário mandou seus empregados aos vinhateiros para receber seus frutos. Os vinhateiros... espancaram a um, mataram
a outro e ao terceiro apedrejaram... Depois enviou seu próprio filho... Eles disseram: é o herdeiro... vamos matá-lo e tomar posse da sua herança
” (Mt 21,34-38). Vemos que os vinhateiros não respeitam o próprio filho, o herdeiro, e chegam a matá-lo, jogando fora da vinha.

Contudo, “a parábola ilustra a recusa de ISRAEL ao projeto de salvação de Deus. A Vinha é o Povo de Deus (Israel). O Dono é Deus, que manifestou muito amor pela sua vinha. Os vinhateiros são os líderes do povo judeu... Os enviados são os profetas... o próprio Cristo "morto fora da vinha". Resultado: A "vinha" será retirada e confiada a outros trabalhadores, que ofereçam ao "Senhor" os frutos devidos e acolham o "Filho" enviado. Reação do Povo: tentam prender Jesus, pois percebem que a Parábola se refere a eles... Não entregam os frutos e maltratam os enviados... A "Vinha" não será destruída, mas os trabalhadores serão substituídos”.
Um questionamento surge: “para quem será entregue a Vinha?” “Quem será o povo que produzirá os frutos de justiça, amor e paz?
Certamente a Igreja é a mais indicada para levar adiante, depois da morte de Jesus, a missão de produzir os frutos de Justiça segundo o plano Salvador de Deus. A Igreja é o novo Povo de Deus, que somos todos nós, participantes da única missão de Jesus enquanto sacerdote, profeta e rei. A Igreja, Povo de Deus, tem a missão de continuar profetizando e anunciando a Boa Nova de Jesus. Porém é preciso estar sempre em estado de alerta, porque facilmente poderemos produzir os frutos que o Senhor Jesus se decepcionaria. Hoje a Igreja trabalha na Vinha do Senhor e pede que transformemos esta vinha (=mundo/sociedade...). Porém Ele pede que olhemos vinha, chamando atenção para ver a produção de uvas selvagens, uvas que sem gosto, amargas e sem aparência agradável. Os frutos selvagens são aqueles frutos que nos fazem perder a referência fraterna na comunidade. Quando perdemos o respeito pelos outros, a comunidade produz frutos selvagens, amargos, azedos... É muito amargo, é um azedume viver numa comunidade sem laços fraternos. O Evangelho deste domingo e as leituras convidam cada um de nós para olhar para a vinha e analisar quais frutos nós estamos produzindo: frutos bons ou frutos amargos. Isso poderá ser feito também dentro de sua família: que frutos têm ali: selvagens, que torna o sabor da família amargo e azedo ou, frutos bons, nos quais viver em família é muito gostoso é saboroso?
Nós estamos celebrando o mês missionário. Missão (= sair de si) tem a ver com o sentido de se enviado. Portanto, somos enviados a trabalhar na vinha do Senhor e produzir frutos de amor, justiça, solidariedade, etc... Nossa grande missão consiste em cultivar os valores do Evangelho entre nós (= comunidade eclesial). “Não existe jeito melhor de crer e participar da comunidade do que semear a justiça divina, cultivar a bondade entre nós, cultivar a fraternidade, cultivar a alegria e paz que afasta qualquer tipo de agressividade e violência... Isso é ser cristão, é ser discípulo de Jesus; é ser missionário”.
(enviado por fr. João)

CNBB - Começa o Mês Missionário, no Brasil - Notícias CNBB - Notícias

CNBB - Começa o Mês Missionário, no Brasil - Notícias CNBB - Notícias

CNBB - Semana Nacional da Vida acontece em outubro - Notícias CNBB - Notícias

CNBB - Semana Nacional da Vida acontece em outubro - Notícias CNBB - Notícias