ZENIT - O mundo visto de Roma

Fides News Português

Gaudiumpress Feed

18 de maio de 2008

Maria, discípula e missionária

O Concílio Vaticano II orientou a Igreja a aprofundar o Mistério da Virgem Maria na vida de Cristo e na Igreja. Também estimulou os fiéis de toda a Igreja a entender a missão e o lugar de Maria na História da Salvação.

O Documento de Aparecida, na sua redação final, vem orientar os cristãos da América Latina sobre a realidade de sermos discípulos e missionários de Jesus Cristo. “Como discípulos e missionários, somos chamados a intensificar nossa resposta de fé e anunciar que Cristo redimiu todos os pecados e males da humanidade. (...) A resposta a seu chamado exige entrar na dinâmica do Bom Samaritano (Lc 10,29-37)... A admiração pela pessoa de Jesus, seu chamado e seu olhar de amor despertam uma resposta consciente e livre desde o mais íntimo do coração do discípulo, uma adesão a toda a sua pessoa ao saber que Cristo o chama pelo nome. É um sim que compromete radicalmente a liberdade do discípulo a se entregar a Jesus, caminho, verdade e vida (Jo 14,6). É resposta de amor a quem o amou primeiro até o extremo. A resposta do discípulo amadurece neste amor de Jesus: ‘eu te seguirei por onde quer que vás’ (Lc 9,57)” [cf DA num. 134-136].

Maria, a mãe de Jesus, é apresentada como “discípula e missionária” (266-272). Através da sua obediência à vontade de Deus (Lc 1,45), sua constante meditação da palavra e das ações de Jesus (Lc 2,19.51), ela é considerada a discípula mais perfeita do Senhor. Ela entendeu profundamente o projeto salvífico do Pai e se fez serva do Senhor respondendo “sim... faça-se em mim conforme a sua Palavra” (Lc 1,38).

O Documento afirma que: “sua figura de mulher livre e forte, emerge do Evangelho conscientemente orientada para o verdadeiro seguimento de Cristo. Ela viveu completamente toda a peregrinação da fé como mãe de Cristo e depois dos discípulos, sem estar livre da incompreensão e da busca constante do projeto do Pai. Alcançou, dessa forma, o fato de estar ao pé da cruz em comunhão profunda, para entrar plenamente no mistério da Aliança” (num. 266).

São Paulo fala que quando chegou a “plenitude dos tempos” (Gl 4,4) Deus enviou seu Filho nascido de uma mulher. Neste sentido perceberemos o cumprimento da esperança dos pobres e o grande desejo da salvação. Vemos assim que a Virgem de Nazaré teve uma missão única na história da salvação, concebendo, educando e acompanhando o seu Filho único até o sacrifício da cruz. E do alto da cruz Jesus Cristo confiou a seus discípulos, representados por João, o dom da maternidade de Maria: “Mulher, eis aí o teu filho, filho eis aí tua mãe... E dessa hora em diante, o discípulo a recebeu em sua casa” (Jo 19,26-27).

A Virgem Maria tem uma missão vital dentro da Igreja. O Documento diz que: “perseverando junto aos apóstolos à espera do Espírito (At 1,13-14), ela cooperou com o nascimento da Igreja Missionária, imprimindo-lhe um selo mariano que a identifica profundamente. Como mãe de tantos, fortalece os vínculos fraternos entre todos, estimula a reconciliação e o perdão e ajuda os discípulos de Jesus Cristo a se experimentarem como família, a família de Deus. Em Maria, encontramo-nos com cristo, com o Pai e com o Espírito Santo, e da mesma forma com os irmãos”. (num. 267).

Assim sendo, “Maria é a grande missionária, continuadora da missão de seu filho e formadora de missionários”. Hoje, mais do que nunca, a Igreja é convidada para direcionar os seus olhares para a vida de Maria. Ela “reúne os filhos dispersos” (Jo 11,52). Como Mãe da Igreja, ela é apresentada como “artífice de comunhão... Ela atrai multidões à comunhão com Jesus e com sua Igreja” (DA 268). Então Maria continua formando os discípulos e missionários para que eles possam responder com fé, dedicação, perseverança e compromisso permanente o grande chamado que seu Filho Jesus Cristo faz a todas as pessoas. Ela nos apresenta a maneira de seguir a Cristo; ela é a grande inspiradora da escola de Jesus; ela nos ensina que o discípulo deve ter um contato permanente com a Palavra de Deus.

Contudo perceberemos a importância de Maria na vida da Igreja e na vida de cada discípulo e discípula do Senhor. Ela é a “imagem esplêndida da conformação ao projeto trinitário que se cumpre em Cristo. Desde a sua Concepção Imaculada até a sua Assunção, recorda-nos que a beleza do ser humano está toda no vínculo do amor com a Trindade, e que a plenitude de nossa liberdade está na resposta positiva que lhe damos” (DA 141).

A vocação ao discipulado missionário é con-vocação à comunhão em sua Igreja. Não há discipulado sem comunhão... A fé nos liberta do isolamento do eu, porque nos conduz à comunhão”. (DA 156). Na realidade do Povo de Deus, “a comunhão e a missão estão profundamente unidas entre si. A comunhão é missionária e a missão é para a comunhão” (DA 163).

Que a vocação ao discipulado missionário, sustentado na nossa consagração batismal, fortaleça a nossa vida e a nossa esperança. Que a presença de Maria, Mãe e discípula do Senhor nos ajude a participar ativamente da ação missionária da Igreja. Que o Espírito de Pentecostes, derramado sobre os Apóstolos, nos anime a sair e anunciar Jesus caminho, verdade e vida.

Fr. João Carlos Ribeiro, osm