ZENIT - O mundo visto de Roma

Fides News Português

Gaudiumpress Feed

31 de dezembro de 2007

“Maria, Mãe de Deus E Rainha da Paz”

      A festa de "Maria, Mãe de Deus", que estamos celebrando, está dentro do contexto das celebrações natalinas, ou seja, refletir sobre a grandeza do mistério divino que se encarna para salvar toda a humanidade das suas corrupções e de seus pecados. Também o Papa Paulo VI colocou três motivos para celebrar este dia: o mistério da Maternidade divina, o início do ano civil e o dia mundial da paz.

      O início do ano civil: o ano de 2007 terminou e entrou para a história. Estamos iniciando, com muitos sonhos e desejos, o ano de 2008. Um convite especial é feito para olhar para 2007 com carinho e perceber que muitas coisas boas aconteceram; por isso é importante agradecer a Deus. Por outro lado, outras coisas e situações não boas aconteceram no nosso meio e outras ficaram no papel; por isso é importante pedir perdão a Cristo, pelas palavras, atos e omissões e assim fazer a reconciliação e iniciar 2008 com o coração reconciliado, com Deus, consigo mesmo, com os irmãos e com a natureza. E ainda uma prece especial para o ano de 2008 seja verdadeiramente abençoado e os nossos corações estejam abertos e disponíveis para iniciar o novo ano com o espírito renovado de acordo com os critérios do Evangelho.

      O Mistério da Maternidade Divina. O Evangelho propõe o texto chamado da Infância de Jesus (Lc 1-2). É a continuação da narrativa do seu nascimento. A Família de Nazaré recebe a visita dos Pastores (Lc 2,16) e eles "tendo-o visto, contaram o que lhe fora dito sobre o menino e todos ficaram maravilhados com aquilo que contavam" (Lc 2,17-18). Maria tem uma atitude profundamente espiritual: ela "guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração" (Lc 2,19). Os Pastores, por sua vez, tiveram uma atitude tipicamente missionária, pois proclamam a ação salvadora de Deus, manifestada com o nascimento de Jesus.

      O Livro dos Números fala que Moisés abençoou Araão e seus Filhos (Nm 6,22-27). Não é isto que queremos para o ano de 2008: uma benção especial? Esta benção poderia ser a luz do Evangelho. Benção significa duas palavras juntas: benedire, ou seja "dizer bem" o contrário desta palavra seria o "maledire", ou seja "falar mal > maldito, mal falado". Então quando dizemos bem ou falamos bem de alguém estamos resgatando aquilo que a pessoa tem de bom, de melhor... Quando falamos mal, estamos colocando o "espírito da pessoa pra baixo". No ano novo, não é isto que queremos para as pessoas: que elas sejam abençoadas, que estejam bem, bem com a sua auto estima e tudo mais? Por isso Moisés abençoou Aaraão dizendo: "o Senhor te abençoe e te guarde! O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face e se compadeça de ti. O Senhor volte para ti o seu rosto e te dê a Paz!" (Nm 6,24-26).

      O Dia Mundial da Paz. No primeiro dia de 2008 celebramos a Paz. Toda a humanidade deseja a paz. Mas vemos o mundo em conflito, guerra, atentados.... Jesus disse: "bem-aventurados os que promevem a paz, porque serão chamos filhos de Deus" (Mt 5,9). O Papa bento XVI, propõe para o dia da paz um tema importante. Neste ano ele convida a refletir sobre: "Família humana, comunidade de Paz". E continua: "A primeira forma de comunhão entre as pessoas é a que o amor suscita entre um homem e uma mulher, decididos a construírem juntos uma nova família...". Assim comos os anjos, nós também somos os mensageiros e artífices da paz que nos propõe Jesus. Somos os agentes da Boa Notícia para as pessoas. Não é a Paz que queremos desejar para 2008? Então como você vai iniciá-lo? Que planos você tem? Contudo, diz o ditado popular: "ano novo vida nova". Seria importante, frente os desafios da vida, que o ano de 2008 seja realmente novo. Como? Dependerá de você e talvez de sua comunidade. Mas o importante será uma nova mentalidade, nova atitude, novo jeito, nova maneira de pensar e atuar, ou seja, uma vida totalmente renovada pelo Espírito Santo e renovada de acordo com os critérios do Evangelho. Talvez seria essa a grande novidade que Jesus nos deixou. Eis algumas sugestões para iniciar o ano de 2008. Mas, pense, medite e reflexione... sobre:

- um NOVO OLHAR sobre a sua casa, a sua cidade, o seu trabalho, a sua Paróquia, sobre a sua comunidade...

- um NOVO AMOR: com o pai, a esposa, os filhos, com os irmãos, o vizinho...

- um NOVO CORAÇAO, disposto a descobrir em tudo e em todos, a face de Deus e o rosto de Cristo que nos interpela nas diversas situações da vida...

- uma NOVA MANEIRA de tratar a natureza, tão sofrida nestes últimos anos...

- um OLHAR MISSIONÁRIO... A Igreja está vivendo um clima tipicamente missionário. O Documento de Aparecida insiste que "um autêntico caminho cristão preenche... projeta... habilita... contribui... incentiva... desperta... a respondabilidade dos leigos no mundo para construir o Reino de Deus (num. 280/d).

      Que Maria, a Mãe de Deus e Rainha da Paz nos ajude a semear a paz durante o ano de 2008, e que juntos em missão, possamos proporcionar aos nossos irmão e irmãs um mundo mais humano, harmônico, cheio de paz, mais fraterno... do evangelho e mais cristão. 



(enviado por frei João)

FELIZ ANO NOVO!

      Hoje a humanidade está em "festa". Em muitas capitais do mundo inteiro estarão iluminadas para saudar e entrar no primeiro dia de janeiro de 2008. Tradicionalmente muitas pessoas se abraçarão e desejarão feliz ano novo! Uma expressão que me faz pensar muito. A Igreja propõe que neste 1º do ano as comunidades possam celebrar a Festa de Maria, Mãe de Deus e o Dia Mundial da Paz.

      Paz... uma palavra composta de três letras e com uma profundidade muito grande. Ao desejar feliz ano novo estaremos desejando um novo ano e cheio de paz. Parece até mentira. Desejamos a paz, mas em várias partes do planeta terra estamos contemplando uma onda de violência muito grande. E quem mais sofre são as pessoas, as crianças..... O que estará faltando para que possamos viver em Paz? Passa ano e entra ano e parece que não encontramos a paz. Seja no "pequeno mundo": pessoal, familiar, rua, bairro, etc... como no "grande mundo". Acredito que alguma coisa está faltando nas vidas das pessoas. Jesus disse no Evangelho: "Bem aventurado os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus" (Mt 5,9).
Nós, como católicos, temos um instrumento muito grande e importante que é a PALAVRA DE DEUS – A BÍBLIA SAGRADA. É através dela que vamos buscando luz para caminhar neste "mundo cheio de trevas". Ela nos inspira uma maneira de seguir o Mestre. Ele é o Príncipe da Paz. Ele é o Filho amado do Pai. Ele é o "Verbo encarnado que veio habitar entre nós".

      Desejar FELIZ 2008 é a certeza de que queremos construir a Paz. Na noite santa do Natal contemplamos no Evangelho que os anjos de Deus anunciaram aos Pastores: "eu vos anuncio uma grande alegria: nasceu para vós um Salvador, que é o Cristo Senhor" (Lc 2,11). E esta Paz só será construída a partir do encontro profundo e verdadeiro com o Menino Deus. Muitos "acordos de Paz" foram realizados e o mundo ainda continua insatisfeito e com muitos focos de violência, de guerra....

      Vamos imaginar se todos os católicos, todos os cristãos do nosso Brasil, do mundo estivem unidos numa única bandeira: CONSTRUIR E PROPOR A PAZ
de uma maneira pacífica, sem violência..... Creio que está na hora de começar a pensar diferente, e pensar segundo os critérios do Evangelho. Só assim teremos um ano novo. Não gostaríamos de "desejar feliz ano velho" e continuar do mesmo jeito. Que o ano de 2008, possa ser verdadeiramente novo, com uma mentalidade nova, com um jeito novo de ser e como cristãos que somos encarnar e interiorizar os valores do Evangelho sendo sinais proféticos do Reino Novo e da Paz nova que vem de Jesus, o nosso mestre.

      Feliz Ano Novo!

                                                      Fr. João Carlos, osm

28 de dezembro de 2007

Família de Nazaré

Estamos vivenciando a plenitude do Tempo do Natal. Este tempo (Natal) associa o mistério da Encarnação os temas da Sagrada Família de Nazaré e da "Mãe de Deus". A festa de hoje situa a Encarnação de Jesus no quadro da família, célula básica da sociedade humana. Focaliza a condição humana de Jesus e sugere algumas atitudes concretas para a vida cristã. A experiência da família de Jesus é posta como paradigma para toda vida familiar.

      Na festa da Sagrada Família, vemos a preocupação de José para com sua família. Ele é silencioso e não um aventureiro. O Evangelho o apresenta como modelo de pai e de chefe de família, atento aos perigos que rondam sua família, pois Herodes queria matar o menino (Mt 2,13), e José queria protegê-la e viver na felicidade da paz. Neste sentido o anjo do Senhor apareceu em sonho dizendo: "levante-se, pegue o menino e a mãe dele, e fuja para o Egito! Fique lá até que eu avise... E José pegou o menino e a mãe e partiu para o Egito"
(Mt 2,13-14).

     José foi avisado em sonho, ouviu a Palavra de Deus envolvido pelo silêncio da noite, ouviu a Palavra orientadora de Deus. Sonho, silêncio, acolhida da Palavra... são atitudes que se entrelaçam em quem está acostumado a consultar Deus e ouvir o que ele diz, na oração e na meditação da Palavra. José é o chefe de família que não decide o destino de sua família por conta própria, mas ouvindo a Palavra de Deus. Quando a Palavra de Deus não é ouvida dentro de casa; quando o silêncio da oração não é ouvido em casa, a Palavra emudece e nossas palavras tornam-se agressivas, briguentas, impedimentos da paz, risco e perigo mortal para a família, como Herodes.

     O sonho de Deus é sonhado por José, sonhando a família como local de encontro de felicidade e de paz. Existe, na realidade, uma promessa de alegria e de felicidade na família que teme a Deus, que cria espaços para o silêncio, no qual seja possível ouvir Deus. O salmista pinta uma paisagem bonita da família que assim vive: todos sentados ao redor da mesma mesa, pai, mãe e filhos, partilhando o pão, fruto do trabalho e da vida humana, na serenidade feliz da paz, que se encontra somente numa família bem ajustada e amorosa.

     A atitude de José é muito corajosa. Com sua Família ele foge para o Egito, que se tornou um país para muitos refugiados. Esta realidade lembra a migração de Jacó (Gn 46,1-4). O Evangelista Mateus vê, nesse fato, o início do processo libertador que Jesus vai inaugurar. Além de Jacó migrante, o episódio recorda também as ameaças de morte do faraó contra Moisés (cf. Ex 4,19).

     No tempo de Jesus, se esperava que o Messias, ao chegar, reeditasse os tempos de Moisés, inaugurando novo e definitivo êxodo de liberdade e vida para o seu povo. Neste sentido, Mateus lê em profundidade esses acontecimentos, vendo neles a realização das esperanças do povo: "…para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: 'Do Egito chamei o meu Filho'" (Mt 2,15; cf. Os 11,1). Lidos em profundidade, esses fatos afirmam que Jesus é o novo Moisés que libertará o povo; é o Filho obediente de Deus... é o Messias esperado.

     No Egito José recebe uma boa notícia: "aqueles que procuravam matar o menino já estão mortos" (v. 20b). Tem-se a impressão de que a Sagrada Família ficou pouco tempo no exílio. O anjo do Senhor lhe indica genericamente o lugar onde deverá residir (a terra de Israel, v. 20a). Cabe a José o discernimento. Ele investiga e acaba sabendo que Arquelau reinava na Judéia, como sucessor de seu pai Herodes, e tem medo de ir para lá (v. 22). José não confia em Arquelau, que reproduz a crueldade de seu pai. E por isso foge para Nazaré, na Galiléia (v. 23a).

     Nazaré é uma aldeia do interior, desconhecida em todo o Antigo Testamento. Lida com olhos da fé, essa indicação aponta para a novidade trazida por Jesus: ele dá início ao novo povo de Deus a partir de uma realidade mais simples..., porque "o povo que vivia nas trevas viu uma grande luz"... e Jesus pregava: "convertam-se, porque o Reino do Céu está próximo" (cf. Mt 4,15-17). Aí começa a libertação e a vida plena, pois, na perspectiva de Mateus, Nazaré é o fim do êxodo e o começo de uma vida nova, voltada para aqueles que se abriram à novidade proposta por Jesus, principalmente os empobrecidos.

     Mas, na sociedade contemporânea o conceito de família está mudando ou está repensando os seus valores. Contudo, a família é a célula base da Igreja e da sociedade, mas está passando por uma transformação profunda... Na antiguidade, a família primava pela relação vertical e de cunho patriarcal. O Pai detinha a autoridade e era responsável pela parte econômica; a Mãe atendia aos afazeres domésticos e cuidava dos filhos (numerosos); os filhos submetidos à autoridade paterna. Dava-se muito valor à AUTORIDADE...

     Na atualidade, o clima e o relacionamento familiar estão sempre em transição. Dá-se preferência ao DIÁLOGO, à co-responsabilidade, à igualdade, ao companheirismo e à amizade entre marido e esposa, entre pais e filhos. Mesmo assim a família sofre hoje muitas influências negativas e muitos fatores de desagregação.

     Quais seriam os valores básicos e permanentes de uma família?

- Comunhão inter-pessoal de Amor e de Vida...  O Amor fiel, único, exclusivo, totalizante e para sempre... Os Filhos não são vistos como propriedade ou bens adquiridos para o egoísmo possessivo de seus pais, mas como vida e prolongamento vital de um amor pessoal, que educa e orienta para a liberdade responsável. "A família é a fonte da vida e o berço da fé."  (João Paulo II)

- Comunidade aberta aos valores do mundo de hoje: A solidariedade, a responsabilidade, a fraternidade, a experiência da fé, o perdão, o diálogo...

- Igreja doméstica: Só assim a família cristã testemunhará a fé, a esperança e a caridade. Uma igreja doméstica que contribui para a santificação do mundo, a partir de dentro, à maneira de fermento. O futuro da Igreja e da sociedade está na base familiar. 



(enviado por frei João)

24 de dezembro de 2007

Natal - Salvação

Hoje é véspera de Natal!
Dia de comemorar um ato sublime da caridade de Deus por cada um de nós.
Todos nos reunimos diante da lapinha de Belém para contemplar de perto como se vive a salvação que vem de Cristo. De modo simples e tão amplo que não podemos estar fora dela, a salvação nasce alí naquele lugar tão inesperado.
Hoje a lapinha é nosso coração, que da mesma forma é um lugar tão pequeno e inesperado. Quantas coisas vivemos durante nossas vidas, quantos sentimentos, quantas mudanças, quantos sorrisos, quantas lágrimas, tantas decisões! E tudo o que vivemos e sentimos serve para nos completar enquanto lapinha de Belém, para receber de modo simples e especial Aquele que, somente Ele, pode salvar o que há de melhor em nós.
Na noite de Natal, como em todas as ocasiões de nossas vidas, precisamos deixar a salvação florescer em nosso peito, como um encanto que não tem fim, viver somente Jesus que é o Alfa e o Ômega. A salvação acontece em nossas vidas quando entendemos que Jesus é o princípio e o fim, e que nós estamos totalmente inseridos em seu projeto de vida eterna, nossa vida está dentro de Jesus, somos parte Dele, somos Dele, assim como Ele está dentro de nós. A partir de Jesus vivemos um projeto tão misterioso quanto perfeito de amor eterno.
Precisamos ser firmes ao dizer: VEM SENHOR JESUS, VEM NOS SALVAR! VEM SENHOR JESUS, NÃO DEMORES MAIS! Mesmo quando as vezes a vinda do Senhor parece ser algo que não suportamos, pois os mistérios divinos são assim, fortes como um enorme trovão e as vezes chegam a estremecer nossas frágeis vidas.
Hoje é dia de ofertar para o Messias os presentes que preparamos durante todo o ano que passou! Você já pensou no que vai levar? Leve o mais profundo do seu ser! Leve pra lapinha o que há de melhor dentro de você. E o que há de melhor dentro de nós além do próprio Jesus, que nos inspirta, fortalece e conhece por inteiro?
Paz irmãos!
E um Feliz Natal, sempre na presença do Rei, que um dia retornará para nos resgatar para uma vida eterna onde nunca mais haverá trevas, e somenta a luz reinará absoluta!

22 de dezembro de 2007

Novena de Natal - 9° Dia

Alegre-te, cheia de graça, o Senhor está contigo. Conceberás e dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus.
Bendito sejais, Deus de nossos pais,
porque iluminais as nosssas vidas
com a luz de Jesus Cristo,
teu Filho, concebido no seio de Maria
por obra do Espírito Santo,
a quem esperamos
com todo o carinho. Amém.
Leitura Bíblica
Lucas 1,26-38
Bendigamos ao Senhor e continuemos vigilantes na espera.
Venha o teu reino, Senhor!

Novena de Natal - 8° Dia

Esta é a morada de Deus com a humanidade. Ele enxugará toda a lágrima dos nossos olhos.

Bendito sejas, Deus de nossos pais,
porque iluminas as nossas vidas
com a luz de Jesus Cristo,
morada de Deus conosco,
o vencedor da morte, do luto e da dor,
a quem esperamos
com todo o carinho. Amém.

Leitura Bíblica

Apocalipse 21,1-7


Bengidamos ao Senhor e continuemos vigilantes na espera.

Venha o teu reino, Senhor!

Novena de Natal - 7° Dia

É hora de despertar, pois a salvação está perto; despojemo-nos das obras das trevas e vistamos as armas da luz.

Bendito sejas, Deus de nossos pais,
porque iluminais as nossas vidas
com a luz de Jesus Cristo,
luz que ilumina os que estão nas trevas
e nas sombras da morte,
a quem esperamos
com todo o carinho. Amém.

Leitura Bíblica

Romanos 13,11-14


Bendigamos ao Senhor e continuemos vigilantes na espera.

Venha o teu reino, Senhor!

4º Domingo do Advento

O Ciclo do Natal é dividido em dois tempos: Tempo do Advento, que corresponde as 4 semanas que antecede o Natal e o Tempo do Natal que vai até a celebração do Batismo de Jesus.

Neste tempo do Advento somos convidados a perceber, ler e compreender os sinais divinos. No domingo passado (3º Domingo) Jesus mostrou os sinais aos discípulos de João Batista (= suas obras Mt. 11,3-6). Nessa celebração (= 4º Domingo), o tema dos sinais e a importância de sua compreensão reaparecem com mais intensidade.

O Profeta Isaías (734 a.C.) proclama que: "o próprio Senhor vos dará um sinal" (Is 7,14). E o sinal dado pelo Senhor é este: "uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel" (Is 7,14). Porém este sinal tem haver com a história do Rei Acaz. Quem foi este rei? A história do Rei está ligada com a história do seu povo. O povo, sobretudo a população de Jerusalém, passava por graves dificuldades. A cidade havia sido invadida por Facéia, rei de Israel, e Rason, rei de Aram, naquela que se costumou chamar de "guerra siro-efraimita". A coligação entre o rei de Israel e o de Aram tinha como objetivo tomar a cidade de Jerusalém, depor Acaz e estabelecer aí, como rei, o filho de Tabeel (cf. Is 7,6). Desse modo, terminaria a dinastia davídica, truncando a promessa que Deus fizera a Davi de conservar-lhe sempre um descendente no trono de Judá (cf. 2Sm 7,12-16). Apesar de o rei não pedir um sinal "desde as profundidades do reino dos mortos até as alturas lá em cima" (v. 11), Deus se adianta e, por meio de Isaías, dá um sinal de que sua fidelidade perdura para sempre. O sinal é uma criança (Is 7,14), provavelmente Ezequias, o filho de Acaz. Com este sinal a descendência davídica não terminaria e fazendo uma leitura sobre a descendência de Jesus, que podemos encontrar no Livro da Origem de Jesus Cristo (= Genealogia de Mateus 1,1-17), onde mostra claramente no v. 1: "filho de Davi, Filho de Abraão".

No Evangelho, vemos a plena realização das promessas e dos sinais que Deus vai mostrando: Uma VIRGEM concebe e dá à luz um filho, que será chamado pelo nome de Emanuel, que significa Deus-conosco."Seu nome é MARIA. (Mt 1,18-24).

A narrativa da situação de Maria e José não deve ser vista como uma descrição de fatos históricos, mas uma CATEQUESE, destinada a proclamar verdades de Salvação:

- Jesus vem de Deus: sua origem é divina. Maria encontra-se grávida por obra do Espírito Santo.

- Missão de Jesus: o seu nome mostra que ele vem de Deus com uma proposta de salvação para os homens: "Jesus" significa "Javé salva".

- O seu Nascimento de uma "Virgem" afirma que Jesus é o Messias anunciado pelos profetas, enviado por Deus para restaurar o reino de Davi.

- José desempenha um papel importante: pela sua obediência (= aquele que escuta), realizam-se os Planos e as promessas de Deus. Confiando na palavra de Deus, penetra na obscuridade do Mistério divino, e se incorpora no plano salvador de Deus, com plena disponibilidade. A sua pessoa nos questiona... Ele é o homem a quem Deus envolve nos seus planos misteriosos, mas que tudo aceita, numa obediência total a Deus.

- Maria Virgem nos convida a admirar o que o Senhor operou nela e a acreditar na vitória da vida também onde nós só enxergamos sinais de morte.

A Igreja (e nós também) somos chamados a fazer o papel do anjo (mensageiro e decodificador dos sinais divinos), para ajudar as pessoas a ler os sinais de Deus e transformar o Mistério divino em projeto pessoal e também em projeto evangelizador das comunidades. O Evangelho diz que José era um homem justo, quer dizer, "ajustado" à vontade divina. Uma vez que José e Maria leram os sinais divinos e os compreenderam, cresceu neles a fé, a adesão ao projeto e a acolhida da missão em favor do projeto.

Há vários sinais que decorrem da compreensão e aceitação da vontade divina, que nos ajudam a compreender o Natal como missão para que o projeto divino aconteça através da vida pessoal. O anjo tem a missão de ajudar a perceber a ação de Deus na vida pessoal, orientando como ler e compreender os sinais divinos. Maria aceita a missão de ser mãe e gerar a vida divina para o mundo; José assume a missão paterna de acolher e dar nome ao Menino, ou seja, tratá-lo como seu verdadeiro filho.

Contudo, muitos sinais aparecem em nossas vidas. A liturgia deste 4º Domingo do Advento apresenta vários sinais. Porém, de tanto falar e ouvir, hoje, já estamos acostumados a diferenciar entre os sinais do Natal de Jesus e do natal comercial. É uma reflexão que já se tornou familiar e, cada vez mais, torna-se clara entre nós. Em teoria, já somos capazes de diferenciar entre o Natal de Jesus e o natal comercial. O que precisamos, agora, é iniciar outra reflexão para colocar o Natal de Jesus no seu verdadeiro lugar; em primeiro lugar. A reflexão dirige o pensamento e o olhar para Maria e para José, o casal de jovens noivos que disseram "SIM" a Deus, depois de acolher e compreender o que Deus queria de suas vidas. Diante de nós está o desafio de compreender os sinais divinos tocando nossas vidas. José ficou pressionado entre o sinal divino, da Maria grávida, e o sinal humano de abandonar tudo, fugindo do projeto divino. Deus não o castigaria por isso, mas ele preferiu assumir, na liberdade, o desafio de viver o projeto divino ao lado de sua Maria, a quem amava, depois de entender o alcance do sinal divino.
Esse é outro sinal do Natal: na família que se ama, no casal que se ama, o sinal do Natal de Jesus torna-se mensagem de vida entre nós. 

(enviado por frei João)

I PASSEATA EM DEFESA DA VIDA


I PASSEATA EM DEFESA DA VIDA

-OBJETIVO: despertar todos para a luta e a defesa da vida; dizer um NÃO à cultura de morte presente na vontade de aprovação do aborto no Brasil.

- LOCAL DE CONCENTRAÇÃO: Dentro do Parque da Maternidade, ao lado da Maternidade Bárbara Heliodora, a partir das 16h00, saindo às 17h00.

- DATA: 28/1 2/2007 (sexta-feira)

- PERCURSO: da Maternidade até à Catedral, dentro do Parque da Maternidade, passando pela Avenida Ceará e subindo pela Avenida Brasil.

- DESTINO: Catedral Nossa Senhora de Nazaré, onde acontecerá a Celebração da Eucaristia, no dia consagrado aos Santos Inocentes.

- AS PESSOAS podem ir com uma roupa de cor BRANCA e as PARÓQUIAS e COMUNIDADES podem se expressar através de FAIXAS, CARTAZES, FITAS etc. (levar o terço e uma vela).


21 de dezembro de 2007

Mensagem de Paz

É sempre bom ouvir a voz do pastor que nos guia para o melhor pasto. Nesse ano , como nos quarenta anteriores, o Santo Padre nos revela o desejo de Deus para o início do ano de 2008. Muitos de nós, até mesmo por ignorância, procuram assistir a todas as previsões de final de ano, elas muitas vezes são narrativas de uma visão pessimista e porque não dizer diabólicas.

Porém, existe uma voz que clama no deserto, é a voz da Santa Madre Igreja. Clama por paz, dom de Deus derramando sobre toda a humanidade na noite de natal, isso sabemos pela proclamação dos anjos aos pastores: “Glória a Deus nos mais alto dos céus, e paz na terra aos homens por ele amados.”(Lc 2, 14)

Quero convidar todos a lerem a Carta para o Dia da Mundial da Paz 2008 com o título “Família Humana, Comunidade de Paz”. E deixo o primeiro parágrafo postado para que todos sintam o quanto foi profético a inspiração dessa carta.

1. NO INÍCIO DE UM ANO NOVO, desejo fazer chegar meus ardentes votos de paz, acompanhados duma calorosa mensagem de esperança, aos homens e mulheres do mundo inteiro; faço-o, propondo à reflexão comum o tema com que abri esta mensagem e que me está particularmente a peito: Família humana, comunidade de paz. Com efeito, a primeira forma de comunhão entre pessoas é a que o amor suscita entre um homem e uma mulher decididos a unir-se estavelmente para construírem juntos uma nova família. Entretanto, os povos da terra também são chamados a instaurar entre si relações de solidariedade e colaboração, como convém em membros da única família humana: « Os homens – sentenciou o Concílio Vaticano II – constituem todos uma só comunidade; todos têm a mesma origem, pois foi Deus quem fez habitar em toda a terra o inteiro género humano (Act 17, 26); têm também todos um só fim último, Deus ».(1)

PREPARAÇÃO PARA O NATAL!

Chegamos novamente noutro natal do Senhor Jesus!

É lindo sentir o renovar da vida que não cessa, a restauração da esperança que nos sustenta o caminhar e a revitalização da fé que nos garante a salvação, a cura e a libertação.

Cada natal nos trás uma certeza, que pelas durezas do ano que se encerra, vamos esquecendo, Jesus é Deus que nasce no meio de nós, melhor ainda, assume a nossa humanidade e desde de então as portas do céu estão abertas para toda a humanidade.

O importante no Natal não é olhar para trás, é olhar para frente. Todos os problemas de 2007 serviram para provar para nós que Deus caminha conosco e nos faz vencedores. Olhar para frente onde se encontra a certeza de dias melhores porque Ele voltará, cada ano que passa é uma ano a menos distante do Senhor Jesus e de seu reino.

Preparemo-nos confiantes, para vinda do Senhor!!!

19 de dezembro de 2007

Novena de Natal - 6° Dia

O Senhor está no meio de ti; ele exultará de alegria por ti, movido por amor.

Bendito sejais, Deus de nossos pais,
porque iluminais as nossas vidas
com a luz de Jesus Cristo,
que nos anima e nos salva, movido por amor,
a quem esperamos com carinho. Amém.

Leitura Bíblica

Sofonias 3,14-18


Bendigamos ao Senhor e continuemos vigilantes na espera.

Venha o teu reino, Senhor!

18 de dezembro de 2007

Novena de Natal - 5° Dia

Farei nascer um descendente de Davi; seu nome será "Senhor, nossa Justiça".

Bendito sejais, Deus de nossos pais,
porque iluminais as nossas vidas
com a luz de Jesus Cristo,
descendente de Davi, "Senhor, nossa Justiça",
a quem esperamos
com todo o carinho. Amém.

Leitura Bíblica

Jeremias 23,5-8

Bendigamos ao Senhor e continuemos vigilantes na espera.

Venha o teu reino, Senhor!

17 de dezembro de 2007

Novena de Natal - 4° Dia

Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe porá o nome de Emanuel.

Bendito sejas, Deus de nossos pais,
porque iluminais as nossas vidas
com a luz de Jesus Cristo,
Emanuel, Deus-conosco,
a quem esperamos
com todo o carinho. Amém.

Salmo 24(23)

Vem vindo o Senhor,
vem vindo o Rei da glória!
Quem tem mãos inocentes,
com ele vai morar!
Abri as vossas portas,
que o Rei já vai chegar!

Leitura Bíblica

Isaías 7,10-14

Bendigamos ao Senhor e continuemos vigilantes na espera.

Venha o teu reino, Senhor!

CONCURSO PARA MÚSICA DO HINO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2009


 

Brasília-DF, 12 de dezembro de 2007

ML – C – nº1049/07


 

CONCURSO PARA MÚSICA DO HINO DA
CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2009

  
 

Prezado(a) compositor(a)

 
 

A CNBB, através do Setor de Música Litúrgica está convidando você para participar do concurso da música do hino da CF de 2009.

  
 

1. Tema e lema da CF 2009

 
 

Tema:
"Fraternidade e segurança pública".

Lema:
"A paz é fruto da justiça" (Is 32,17).

  
 

2. Características da música do Hino

 
 

2.1. Em geral

 
 

A expressão musical do hino consistirá de:

  • Caráter vibrante, vigoroso, "energizador". Este caráter tem a ver com o ressoar de "trombetas e clarins" (cf. Sl 47, 6; 98, 5-6);
  • Melodia e ritmo fluentes, acessíveis a qualquer tipo de assembléia;
  • Força melódica e rítmica eficazes para a dinamização das potencialidades individuais e grupais, que ajudem na superação do egoísmo e do comodismo.


 

2.2. Quanto à melodia:

 
 

  • Realce bem o sentido da letra. Antes de pensar na composição, o(a) autor(a) deverá estudar bem a letra e observar os acentos tônicos (fortes) das palavras para que haja uma correspondência natural com os tempos fortes da melodia. Quando as sílabas não acentuadas (átonas) coincidem com os tempos fortes de cada compasso, a palavra fica deformada (por exemplo: terrá, horá, vamós...);
  • Seja fluente, simples, porém, bela. A tessitura média das notas musicais deve-se acomodar entre o "dó 3" (dó central do piano ou órgão) e o "dó 4" (uma oitava acima);
  • Tenha pausas de respiração suficientes e nos momentos certos. É bom que haja uma breve respiração no final de cada frase do texto;
  • Seja construída a partir da escala diatônica. Sejam evitados cromatismos exagerados (semitons sucessivos) e intervalos de difícil entoação;
  • Seja artística, fugindo dos "chavões e clichês" já conhecidos e por demais gastos;
  • Tenha características da genuína música brasileira (por exemplo, da etnomúsica religiosa).


 

3. Apresentação da composição

  • Esteja escrita em pauta, com a indicação dos acordes (cifras) para o acompanhamento instrumental. As melodias que não vierem anotadas na pauta, automaticamente, não serão submetidas ao concurso.
  • Estejam gravadas em CD, com ou sem acompanhamento instrumental.


 

4. Prazo

As composições sejam enviadas à CNBB até o dia 30 de março de 2008, trazendo apenas o pseudônimo (nome de fantasia) do(a) autor(a), no remetente. Dentro da correspondência, num envelope fechado, estejam o nome verdadeiro do(a) compositor(a), junto com o termo de Cessão de Direitos Autorais (Cf. ANEXO II), preenchido e assinado, para o seguinte endereço:

 
 

CNBB (Setor Música Litúrgica)

SE/Sul, Q. 801, Conj. "B"

70401-900 - BRASÍLIA-DF

 
 

 
 

Dom Dimas

Bispo auxiliar do Rio de Janeiro

Secretário Geral da CNBB

 
 

 
 

Pe. José Carlos Sala

Assessor da Música Litúrgica da CNBB

 
 


 

Pe. José Adalberto Vanzella

Secretário Executivo da Campanha da Fraternidade

 
 

P. S.: Veja a seguir, o texto do Hino (anexo I) e o termo de cessão de

direitos autorais à CNBB (Anexo II).

 

 
 

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2008

Tema: Fraternidade e segurança pública

Lema: "A Paz é fruto da justiça" (Is 32,17)

 
 

HINO

 
 

Letra

José Antônio de Oliveira


 

 

  1. Ó povo meu, chegou a mim o teu lamento

    Conheço o medo e a insegurança em que estás.

    Eu venho a ti, sou tua força e teu alento.

    Vou te mostrar caminho novo para a paz

     
     

    Ref.: Onde pões tua confiança?

    Segurança, quem te traz?

    É o amor que tudo alcança;

    Só a justiça gera paz!

 
 

  1. Quando o direito habitar a tua casa,

    Quando a justiça se sentar à tua mesa,

    A segurança há de brincar em tuas praças;

    Enfim, a paz demonstrará sua beleza.

 
 

  1. A segurança é vida plena para todos:

    Trabalho digno, moradia , eduação;

    É ter saúde e os direitos respeitados;

    É construir fraternidade, é ser irmão.

 
 

  1. É vão punir sem superar dificuldades;

    É ilusão só exigir sem antes dar.

    Só na justiça encontrarás tranquilidade;

    Não-violência é o jeito novo de lutar.

     
     

    1. É como teia de aranha, a segurança (Jó 8,14)

      De quem confia só nas armas, no poder.

      Não é violência, não são grades ou vingança

      Que irão fazer paz e justiça florescer.

     
     

    1. Eu desposei-te no direito e na justiça;

      Com grande amor e com ternura te escolhi. (Os 2,18)

      Como aceitar o desrespeito, a injustiça,

      A intolerância e o desamor que vêm de ti?!

       
       


       

       

     
     

     
     

     
     

     

     
     

    CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2009

    Tema: Fraternidade e segurança pública

    Lema: "A Paz é fruto da justiça" (Is 32,17)

BIBLIACLERUS

BIBLIACLERUS

:: SANTUARIO DE LA MAMITA DEL SOCAVÓN :: ORURO - BOLIVIA ::

:: SANTUARIO DE LA MAMITA DEL SOCAVÓN :: ORURO - BOLIVIA ::

16 de dezembro de 2007

Novena de Natal - 3° Dia

Vinde, todos, e deixemo-nos guiar pela luz do Senhor.

Bendito sejais, Deus das promessas,
porque iluminais as nossas vidas
com a luz de Jesus Cristo,
juiz das nações, luz dos povos,
a quem esperamos
com todo o carinho. Amém.

Leitura Bíblica

Isaías 2,1-5

Bendigamos ao Senhor e continuemos vigilantes na espera.

Venha o teu reino, Senhor!

Novena de Natal - 2° Dia

Criai ânimo, não tenhais medo! é o próprio Deus que vem para vos salvar.

Bendito sejas, Deus de nossos pais,
poque iluminas as nossas vidas
com a luz de Jesus Cristo,
força dos fracos, consolo dos aflitos,
a quem esperamos
com todo o carinho. Amém.

Leitura Bíblica

Isaías 35,1-10

Bendigamos ao Senhor e continuemos vigilantes na espera.

Venha o teu reino, Senhor!

Novena de Natal - 1° Dia

Surgirá o rebento de uma flor que trará justiça para os humildes.

Bendito sejas, Deus de nossos pais,
porque iluminas as nossas vidas
com a luz de Jesus Cristo,
flor de Jessé, justiça dos humildes, a quem esperamos
com todo carinha. Amém.

Leitura Bíblica
Isaías 11,1-5

Bendigamos ao Senhor e continuemos vigilantes na espera.

Venha o teu reino, Senhor!

15 de dezembro de 2007

3° Domingo do Advento

Estamos celebrando o 3º domingo do Advento. Ele é chamado "Domingo daalegria". A comunidade cristã é convidada a se alegrar com o ApóstoloPaulo que diz: "Alegrai-vos sempre no Senhor. De novo eu vos digo:alegrai-vos! O Senhor está perto" (Fl 4,4s). As Leituras bíblicas, deste domingo, é um convite muito forte para a alegria, porque oSenhor, que esperamos, já está conosco e com ele preparamos o Adventodo seu Reino.
O profeta Isaias (Is 35,1-6.10) convoca o povo, exilado na Babilônia,a renovar a esperança em Deus libertador. Ele procura despertar a esperança e fortalecer o ânimo de um povo que atravessava um dos piores períodos de sua história: Jerusalém e o templo destruídos; com a deportação para o exílio o povo foi ficando sem terra, sem identidade, sem o amor e a aliança de Deus, sem o templo... enfim sem "nada". Mesmo diante destas ruínas, o profeta fala que o deserto vai florir, que a tristeza vai dar lugar à alegria, o medo dará lugar à luz. Ele libertará os cegos, os coxos, os mudos de suas doenças... E afirma: "os que o Senhor salvou voltarão para casa". É a alegria da volta à Pátria, da saúde readquirida, da liberdadereconquistada. É a festa da intervenção do Deus que salva.
No Evangelho encontramos a pessoa de João Batista. Na prisão e ouvindo falar das suas ações, ele manda alguns de seus discípulos perguntar a Jesus se é ele o que há de vir ou se é necessário esperar um outro (vv. 2-3). Ele não responde à pergunta. Ao contrário, faz um apelo ao discernimento com base no que é possível ouvir e ver (vv.4-5). A presença do reino no meio das pessoas é questão de discernimento. Só quem "ouve" e "vê" as obras de Jesus será capaz de perceber que ele é o Messias. Ninguém fica dispensado desse discernimento, nem mesmo profetas da categoria de João Batista.
Jesus retoma, amplia e realiza o sonho do profeta (Is 35,5-6): "os cegos recuperam a vista, os paralíticos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e aos pobres é anunciada a "boa nova" (Is 35,5). Pela interpretação das obras é que se chega à descoberta de quem é Jesus e constata-se que não é preciso esperar outra pessoa, porque nele o reino já está presente, privilegiando aqueles que a sociedade colocara à margem da vida. Defato, cegos, paralíticos, leprosos, surdos, mortos e pobres são preocupação constante de Jesus e mostra a João que a partir das suas obras inauguram a era messiânica, mas sob a forma de atos de salvação, não de violência e castigo.
Assim Jesus dá um profundo testemunho de João Batista. Ele: não é um CANIÇO que verga conforme o vento, não é um pregador oportunista que se adapta conforme a situação, não é um CORRUPTO que vive na fortuna e no luxo... Mas ele é muito mais que um PROFETA... "É o maior dos nascidos de mulher". E acrescenta: "No entanto, o menor no Reino dos céus é maior do que ele" (Mt 11,11). Os que já pertencem ao Reino transcendem àqueles que os precederam e prepararam.
Aprofundando a espiritualidade deste 3º domingo do advento perceberemos o tom da alegria que invade toda a celebração. Contudo a ação libertadora e profética de Jesus deve continuar na história através de gestos concretos de seus discípulos e missionários. Poder-se-ia fazer o seguinte questionamento:
1. Que sinais oferecemos hoje para convencer os homens de que oMessias está entre nós? A resposta de Jesus a João Batista foi clara: "Ide contar a João o que estais ouvindo e vendo" > Os cegos recuperama vista, os surdos ouvem...
2. Em nossa vida, há sinais de que o Reino de Deus já chegou? Contudo, cristãos e comunidades, que descobrem Jesus, recuperam a vista, abrem os ouvidos, começam a andar. Começam a VER o mundo com outros olhos: os olhos do evangelho, da justiça, do perdão, do compromisso missionário... Começam a ESCUTAR os clamores daqueles que sofrem e são oprimidos... Começam a ANDAR... crescer e amadurecer na fé...
Jesus afirma que os pobres são evangelizados (Mt 11,5). Era mentalidade dos grupos dominantes de então (= fariseus, mestres edoutores da Lei) que os ricos eram abençoados e os pobres amaldiçoados. Jesus rejeita esta mentalidade. Jesus nasceu pobre, criou-se entre pobres. Muitos daqueles que eram considerados pobres e pecadores vibraram com a atitude de Jesus e o seguiam com entusiasmo. E ainda hoje, a sua mensagem é acolhida com mais facilidade e entusiasmo entre eles... "Feliz aquele que não se escandaliza por causa de mim" (Mt 11,6). Em outras palavras, feliz é quem o acolhe como Messias a partir da mentalidade divina e não com a mentalidade humana. Ou ainda, feliz quem não se decepciona por ver que Deus age diferente e salva colocando-se à serviço da vida enfraquecida e mutilada.
Portanto, a proposta para os discípulos de Jesus reforça a esperança de modo ativo e sem reclamações. A exemplo de Jesus, os discípulos são vocacionados a viver no serviço restaurador da vida, onde se proclama a glória de Deus manifestada no serviço para que ninguém passe fome, sofre alguma doença, sofre discriminação... e amparar os depressivos com a consolação da fé e da esperança, e ser companheiro de estrada, peregrinando nos caminhos do Senhor.
(enviado por Fr. João)

13 de dezembro de 2007

Deus espera por você


Deus está esperando por você.

O Natal se aproxima... E nele revivemos o nascimento de Jesus, é o aniversário do Nosso Salvador.

E é também tempo de conversão, tempo de mudança.

Nesse período muitos de nós ficamos sensibilizados com o próximo e acabamos por fazer algumas caridades para que pelo menos nesta data do ano nossos irmãozinhos mais necessitados tenham um pouco menos de sofrimento.

Com certeza essa atitude é valida meus queridos e minhas queridas, mas garanto a vocês que o ato só contribuirá para um mundo melhor se esse gesto tão bonito provocar uma mudança concreta em cada de nós.
E essa mudança deve ser de uma maneira profunda e real.

Pois o que nos deve inspirar para fazer-mos essa caridade não pode ser um sentimento de culpa ou menos um pensamento de que fizemos a nossa parte e acabar por aí mesmo , pois se for assim, continuaremos a viver em nosso mundinho de faz de conta onde tentamos nos enganar , fingindo que nada podemos fazer para mudar o mundo, porque podemos sim.

É necessário que enxerguemos a verdade, e a verdade é que Deus espera mais de cada um de nós porque fomos feitos a sua imagem e semelhança e podemos ser melhores do que somos se nos comprometermos com o AMOR, com Deus nosso Pai.

O que estou querendo dizer é que não adianta fazermos caridades se não conseguimos viver o verdadeiro sentido do Natal, se não conseguimos amarmos uns aos outros e quando escrevo isso não escrevo por escrever, escrevo porque tenho a certeza absoluta de que esse é o Caminho para a solução de todos os problemas.

Eu já testei !!!!!

Todos nós fomos feitos por amor e para o amor. O ideal seria que um tentasse ajudar o outro a percorrer os caminhos íngremes que surgem no decorrer de nossas vidas, mas nem sempre agimos assim:

Quando vemos que irmão erra em vez de ajudá-lo a levantar temos o péssimo habito de fazer algo que não cabe a nenhum de nós:
JULGÁ-LO.
E muitas vezes esquecemos que com a mesma medida que medimos também seremos medidos.

Que neste Natal todos nós possamos buscar mais amar e compreender.
Deixemos de lado todo o julgamento e sentimento de rancor. Façamos uma faxina geral em nossos corações pra que todo entulho que está obstruindo a passagem da luz possa ser retirado para nunca mas voltar.

E que nossos erros sejam outros, não mais aqueles do passado onde muitas vezes ficamos aprisionados.

Chega! Grite por Jesus e seja livre.
Acredite!

Pois todos nos somos capazes de reescrever a nossa história a cada dia.
Todos as manhãs temos uma nova chance para mudar e ser mais feliz, pois é isso que Deus quer : A nossa Felicidade!

Acorda, Deus espera por você!!!!

Só Deus permanece

Eu estava pensando na Criação.
Visualizei aquela explosão de cores, luzes, formas, perfumes, sons... tudo sendo criado sob a inspiração do Espírito Santo que pairava sobre o universo.
Foi assim que Deus criou o mundo, cheio de cores e sons, luzes, formas e perfumes, tudo em perfeita harmonia, como uma sinfonia onde onde tudo se completa no final, onde tudo é bom, e muito bom! Cada criatura com sua qualidade e talento, cada criatura no seu lugar realizando o que nasceu para realizar, como uma perfeita sinfonia onde o som final é a vontade do Criador!
Você pode estar pensando que meu pensamento foi por demais romântico, mas essa é nossa essência! Quando Deus nos criou pensou em cada um de nós dessa maneira, pensou nas criaturas mais perfeitas e sublimes, pensou em criaturas a quem Ele mesmo deu de presente todas as outras criações que colocou nesta terra. Ele lançou sobre nós as luzes do Espírito Santos e nos fez ser filhos queridos! Somos filhos do Deus da Luz.
Quando Adão e Eva, que representam toda a humanidade, provaram do pecado e se afastaram dos preceitos do Criador perderam a capacidade de ver, sentir, e porque nao dizer, de viver a vontade de Deus em suas vidas! Por muitos anos a humanidade tem vivido assim, sendo filhos do Deus da Luz e habitando nas trevas da solidão, do desespero, do desalento, do egoísmo e da falta de esperança. O convite que a serpente fez a Eva ainda é feito diariamente a tantas criaturas de Deus, e muitos ainda aceitam o chamado da escuridão.
Estamos vivendo a Liturgia do Advento, e com ela reaparece aos povos novamente a Luz! A Luz é Jesus! Assim como Adão e Eva experimentaram a escuridão através do sim dado a serpente, cada um que diz sim ao chamado de Jesus experimenta viver na Luz. Jesus é o grande maestro que vem para reajustar cada som da sinfonia infinita que abrilhantará os céus pela eternidade. O advento nos traz Jesus como um lindo nascer de um novo dia onde o sol brilha não importando o que passoamos na noite anterior, um lindo arrebol que nos faz ver que nada é tão escuro ou difícil que não possa ser superado, pois tudo passa, só Deus permanece.
Irmãos, Jesus quer transformas nossas vidas em uma perfeita sonfonia de agradecimento e adoração! Basta que olhemos o mundo sob a perspectiva do Messias para que possamos ver novamente acontecer em nossas vidas os mesmos prodígios da criação. Com Jesus nossa vida é assim cheia de cores e sons, luzes, formas e perfumes, tudo me perfeita harmonia! Nada é tão escuro e difícil que não possa ser superado, pois tudo passa irmãos, só Deus permanece, e Ele é fiel.

12 de dezembro de 2007

NÃO PODEMOS SER ESCRAVOS DAS NOSSAS EMOÇÕES

Ninguém pode ser livre e feliz se for prisioneiro de si mesmo.
Nos tempos atuais vivemos o auge da "democracia" e da "liberdade".
São tantos os direitos de livre expressão!
Cada um pode manifestar-se como desejar, desde é claro que não vá contra a Lei dos homens. É isso que o mundo nos propõe.
Mas até onde podemos ter isso como verdade?
Até onde essa liberdade existe?
Observando o comportamento das pessoas nessas ultimas décadas, podemos observar claramente como elas estão estressadas, deprimidas e insatisfeitas.
O homem moderno está mais culto, tem acesso rápido as informações e até pode ser excelente no que faz. Porém está perdendo a capacidade de ver a beleza das coisas simples da vida, que são aquelas que de fato "satisfazem" as nossas necessidades. Este está deixando-se acostumar com aquilo que um dia com a graça de Deus conseguiu conquistar.
O homem moderno sem sombra de duvidas tem
mais conhecimento, mas é prisioneiro d si mesmo, está sempre vázio, em busca de coisas para satisfazê-lo. Não consegue lidar com o sofrimento e para se livrar dele faz coisas absurdas que acabam por deixá-lo ainda mais dependente.
Ninguém consegue eliminar todos os erros e angustias da sua vida. Todos passamos por desertos emocionais, que só podem servir de crescimento quando temos a coragem de assumir nossas fraquezas e misérias e passamos a usa-las a nosso favor e não ficamos mergulhados em nossa fragilidade humana. Porque não importa o numero de vezes ou até mesmo a gravidade do que te deprime. O essencial é assumir essa fragilidade e voltar-se para Jesus, que nos dá a força do alto , o seu Espírito Santo, que é criativo e consolador.

Nossa Senhora de Guadalupe


A devoção a Nossa Senhora de Guadalupe teve início no México, com sua aparição ao índio batizado Juan Diego. Por volta de 1531, ele passava pela colina de Tepeyac, perto da capital mexicana, quando ouviu uma suave melodia. Olhou e viu sobre uma nuvem branca uma linda Senhora resplandecente de luz, envolta em um arco-íris.

Ela chamou-o pelo nome, disse-lhe que era a verdadeira mãe de Deus, e encarregou-o de pedir ao bispo, Dom Juan de Zumárraga que construísse uma igreja naquela colina para sua honra e glória de Deus. Após muita dificuldade o índio conseguiu falar com o bispo, que naturalmente não acreditou na sua história.


Usando de prudência, o bispo pediu um sinal da Virgem ao indígena, que somente na terceira aparição foi concedido, quando Juan Diego estava indo buscar um sacerdote para o tio doente. A Virgem o instruiu para que colhesse flores no bosque e as levasse ao bispo. Diego obedeceu.


O bispo ficou estupefato quando abriu o pano que o índio lhe estendeu. Não podia entender como, em pleno inverno, o índio encontrou um ramalhete de flores frescas e perfumadas ! E, na manta bordada que o índio usou para embrulhar as flores, estava a figura da Virgem de Guadalupe: tez morena, olhos claros, e vestida como as mulheres da Palestina ! Dom Zumárraga, emocionado, acreditou na história do índio e seguiu suas instruções, providenciando a construção do templo em honra da mãe de Deus.


A partir daí, a evangelização do México, até então lenta e difícil, tornou-se avassaladora, sendo destruídos os últimos resquícios da bárbara superstição dos astecas, que escravizavam outros povos e sacrificavam seus próprios filhos em rituais sangrentos.


O manto de Juan Diego, que deveria ter se deteriorado em 20 anos, devido à baixa qualidade do tecido, mantém-se perfeitamente conservado apesar de se terem passado mais de 450 anos, e ainda hoje é venerado no Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe, que se tornou o santuário católico mais popular do mundo depois do Vaticano.


Nossa Senhora de Guadalupe foi declarada Padroeira de toda a América, em 1945, pelo Papa Pio XII.



ORAÇÃO


Perfeita, sempre Virgem Santa Maria, Mãe do Verdadeiro Deus, por quem se vive. Tu que na verdade és nossa Mãe Compassiva, te buscamos e te clamamos. Escuta com piedade nosso pranto, nossas tristezas. Cura nossas penas, nossas misérias e dores. Tu que és nossa doce e amorosa Mãe, acolhe-nos no aconchego do teu manto, no carinho de teus braços.

Que nada nos aflija nem perturbe nosso coração. Mostra-nos e manifesta-nos a teu amado Filho, para que Nele e com Ele encontremosnossa salvação e a salvação do mundo. Santíssima Virgem Maria de Guadalupe, faz-nos mensageiros teus, mensageiros da Palavra e da vontade de Deus.

Amém.
VIVA NOSSA SENHORA DE GUADALUPE! PADROEIRA DA AMÉRICA!

9 de dezembro de 2007

2° Domingo do Advento

Estamos caminhando e preparando para celebrar o nascimento de Jesus. Na semana passada, no primeiro domingo, do Advento a liturgia nos convidava sobre o tema da esperança e da vigilância. Na liturgia deste segundo domingo, do Advento o convite é sobre a conversão e a preparação para o caminho do Senhor.
Esta preparação já vinha desde os tempos préticos. O Povo de Israel esperava a chegada do Messias, o Salvador. O profeta Isaias já preparava o povo para a chegada de “um Libertador”. Ele seria um enviado de Javé e teria a missão de construir um Reino de Justiça e Paz (Is 11,1-10). Contudo, uma das maiores profecias do Antigo Testamento referentes ao Messias era que o profeta reavivaria a esperança do seu povo, diante das ameaças do imperialismo dos assírios. Assim, surgem as características do messianismo profético:
· Será descendente de DAVI: "Naqueles dias, do tronco de Jessé sairá um ramo e um broto de sua raiz"
(Is 11,1). > Jessé é Pai de Davi.

· - Será cheio do ESPÍRITO do Senhor: Sobre ele pousará o Espírito do Senhor: Espírito de sabedoria e
inteligência, de conselho e de fortaleza, de conhecimento e de temor de Deus,(de piedade). (Is 11,3) Neste
versículo encontramos a origem dos 7 dons do Espírito Santo.
· - Será portador da JUSTIÇA e da PAZ: "Trará justiça para os humildes e uma ordem justa para os homens pacíficos” (Is 11,4). Haverá a reconciliação da Criação: voltará a harmonia perdida entre o homem e a natureza, entre os animais selvagens e domésticos....
O Sonho profético se realiza em Jesus como "messias-salvador". Ele iniciou esse "Reino" novo de justiça, de harmonia, de paz, de fraternidade, de perdão, e uma nova maneira de pensar e conceber o “Pai”. Por isso, cheio do Espírito de Deus, ele passou pelo mundo convidando os homens a se tornarem "filhos de Deus" e a viverem no amor e na partilha. Mas o sonho profético,ainda está longe de sua completa realização.
Neste sentido, após séculos de caminho do Povo de Deus, aparece no deserto a pessoa de João Batista, preparando os homens do seu tempo para acolher Jesus Salvador (Mt 3,1-12). Ele possui uma personalidade enigmática, forte, decisiva, profética, provocadora... Eis alguns elementos de sua vida e de sua personalidade:
- Personalidade: É uma figura impressionante, que fascina o povo; tem um estilo de vida austera: no vestir, no comer, no falar, no morar... Vive no "DESERTO", lugar das privações, do despojamento, das tentações, das purificações... mas também lugar tradicional dos encontros entre Deus e Israel.
- Mensagem: é um Apelo à CONVERSÃO. "Convertei-vos, porque o Reino dos céus está próximo..." (Mt 3,2). Conversão é um dom de Deus; é um processo de vida... é uma nova maneira de pensar, de se aproximar de Jesus e dos irmãos... é mudar radicalmente o “esquema mental” e se abrir à novidade do Espírito de Deus. Portanto, surge um outro convite do Profeta: "Preparai o caminho do Senhor: endireitai as veredas para Ele" (Mt 3,3). Contudo, não é possível acolher "Aquele que vem", se o nosso coração estiver cheio de egoísmo, de orgulho, de auto-suficiência, de preocupação com os bens materiais. Se quisermos celebrar a vinda do Senhor e participar do seu Reino, devemos preparar o caminho, mudar o nosso coração. Nesse itinerário, não há espaço para a hipocrisia. Não bastam as aparências, apenas dizer que “somos cristãos porque recebemos o batismo”. A Conversão deve ser comprovada pela ação.
- O Batismo de João: consistia na imersão na água do rio Jordão para as pessoas que aderiam a esse apelo de conversão. Significava o arrependimento, o perdão dos pecados e a agregação ao povo fiel. Mas ele avisa que aquele que vem depois dele "batizará no Espírito Santo e no fogo..." (Mt 3,11). Portanto, o Batismo de Jesus vai muito além do batismo de João: confere a quem o recebe, a vida de Deus e torna-o filho de Deus; incorpora-o à Igreja e torna-o participante da missão da Igreja no mundo. Assim, todo batizado se converte em Discípulo e Missionário de Cristo, e participante de sua missão sacerdotal, tornando-se sacerdotes, profetas e reis. É um quadro de vida completamente novo, uma relação de filiação com Deus e de fraternidade com Jesus e com todos os outros batizados. É um Sacramento e uma vida nova em Cristo Jesus.
- Frente ao anúncio profético de João Batista, perceberemos algumas reações:
> do Povo em geral: reconhece seus erros e pede o Batismo...
> dos Fariseus e Saduceus: vão ao encontro de João por curiosidade apenas... e são desmascarados: "Raça de cobras venenosas”(Mt 3,7). São convidados a “produzir frutos que provém da conversão” (Mt 3,8). Uns dos frutos seriam “em vez de dividir as pessoas em boas e más, consideremos cada pessoa tanto na sua bondade a ser cultivada quanto na sua maldade a ser eliminada”.
O itinerário iniciado no domingo passado para preparar o nascimento de Jesus nos convida à conversão. Converter-se, nessa celebração, significa ser autêntico, ser sincero na prática religiosa. Deixar de lado o fingimento e, na sinceridade produzir frutos de quem tem o Espírito de Deus no coração. O alerta para ser sincero vale para todos. É preciso ter cuidado de não transformar a prática da religião e a fé em fingimento, em teatro. Com coragem, e na sinceridade, portanto, caminhemos ao encontro do Senhor que vem, fazendo com que nossa prática religiosa seja frutuosa para o bem de todos.
(enviado por Fr. João)

7 de dezembro de 2007

Imaculada Conceição

Comentário do Pe. Cantalamessa na festa mariana


ROMA, quinta-feira, 6 de dezembro de 2007 (ZENIT.org).- Publicamos o comentário do Pe. Raniero Cantalamessa, OFM Cap. – pregador da Casa Pontifícia – sobre a Solenidade da Imaculada Conceição.

* * *

Solenidade da Imaculada Conceição

Gênesis 3, 9-15.20; Efésios 1, 3-6.11-12; Lucas 1, 26-38

Sem pecado

Com o dogma da Imaculada Conceição, a Igreja Católica afirma que Maria, por singular privilégio de Deus e em vista dos méritos da morte de Cristo, foi preservada de contrair a mancha do pecado original e veio à existência já totalmente santa. Quatro anos depois da definição do dogma pelo Papa Pio IX, esta verdade foi confirmada pela própria Virgem em Lourdes, em uma das aparições a Bernadete, com as palavras: «Eu sou a Imaculada Conceição».

A festa da Imaculada recorda à humanidade que existe uma só coisa que contamina verdadeiramente o homem, e é o pecado. Uma mensagem urgente para ser proposta. O mundo perdeu o sentido do pecado. Brinca-se como se fosse o mais inocente do mundo. Alinha com a idéia de pecado seus produtos e seus espetáculos para torná-los mais atrativos. Refere-se ao pecado, inclusive aos mais graves, com diminutivos: pecadinho, viciozinho. A expressão «pecado original» se utiliza na linguagem publicitária para indicar algo bem diferente da Bíblia: um pecado que dá um toque de originalidade a quem o comete!

O mundo tem medo de tudo, menos do pecado. Teme a contaminação atmosférica, as penosas doenças do corpo, a guerra atômica, atualmente o terrorismo, mas não lhe dá medo a guerra a Deus, que é o Eterno, o Onipotente, o Amor, enquanto Jesus diz que não se tema aos que matam o corpo, mas só a quem, depois de ter matado, tem o poder de lançar à geena (cf. Lc 12, 4-5).

Esta situação «ambiental» exerce uma tremenda influência até nos crentes que, contudo, querem viver segundo o Evangelho. Produz neles um adormecimento da consciência, uma espécie de anestesia espiritual. Existe uma narcose por pecado. O povo cristão já não reconhece seu verdadeiro inimigo, o senhor que o mantém escravizado, só porque se trata de uma escravidão dourada. Muitos que falam de pecado têm dele uma idéia completamente inadequada. O pecado se despersonaliza e se projeta unicamente sobre as estruturas; acaba-se por identificar o pecado com a postura dos próprios adversários políticos ou ideológicos. Uma pesquisa sobre o que as pessoas pensam que é o pecado daria resultados que provavelmente nos aterrorizariam.

Ao invés de livrar-se do pecado, todo o empenho se concentra hoje em livrar-se do peso de consciência relativo ao pecado; em vez de lutar contra o pecado, luta-se contra a idéia do pecado, substituindo-a por aquela – bastante diferente – do «sentimento de culpa». Faz-se o que em qualquer outro campo se considera o pior de tudo, ou seja, negar o problema ao invés de resolvê-lo, voltar a jogar e sepultar o mal no inconsciente em vez de extrai-lo. Como quem crê que elimina a morte suprimindo o pensamento sobre a morte, ou como quem se preocupa por baixar a febre sem curar a doença, da qual aquela é só um providencial sintoma. São João dizia que se afirmamos estar sem pecado, enganamos a nós mesmos e fazemos de Deus um mentiroso (cf. 1 João 1, 8-10); Deus, de fato, diz o contrário: que pecamos. A Escritura diz que Cristo «morreu por nossos pecados» (1 Cor 15, 3). Suprima o pecado e você torna vã a própria redenção de Cristo, destrói o significado de sua morte. Cristo teria lutado contra simples moinhos de ventos, teria derramado seu sangue por nada.

Mas o dogma da Imaculada nos diz também algo sumamente positivo: que Deus é mais forte que o pecado e que onde abunda o pecado superabunda a graça (cf. Rom 5, 20). Maria é o sinal e a garantia disso. A Igreja inteira, detrás d’Ela, está chamada a ser «resplandecente, sem que tenha mancha, nem rugas nem coisa parecida, mas que seja santa e imaculada» (Ef 5, 27). Um texto do Concílio Vaticano II diz: «Enquanto a Igreja na Santíssima Virgem já chegou à perfeição, pela qual se apresenta sem mancha nem ruga, os fiéis, no entanto, ainda que se esforçam por crescer na santidade, vencendo o pecado; e por isso dirigem seu olhar a Maria, que brilha ante toda a comunidade dos eleitos, como modelo de virtudes» (Lumen gentium, n. 65].

[Traduzido por Zenit]

4 de dezembro de 2007

Somos Servos...

Hoje o blog faz seis meses, e posso dizer que foram seis meses de muitas alegrias.
Algumas pessoas fazem parte desse lindo retrado, onde o lugar de mais destaque é reservado a Jesus.

O blog nasceu pela necessidade de evangelizar. E também pela necessidade de viver esse amor fraternal que Deus convida a cada um de nós a praticar.
E posso garantir a cada um de vocês que lerem estas poucas linhas que aqui neste blog encontrei pessoas de muita fé e que se mostraram ser muito amigas. Pessoas realmente dispostas a ajudar quando um irmão necessita.

Para mim, paticipar do blog somos servos tem sido uma experiência muito gratificante, SOMOS SERVOS, SOMOS IRMÃOS,SOMOS AMIGOS...
Não existem cobranças ou mesmo exigências, tudo que é feito no blog é feito por amor!
E quando um tá sem inspiração o outro tem de sobra ,de modo que todos nos alegramos uns com os outros, isso é ação de Deus, do seu Espirito Santo em nossas vidas.

Obrigada Frei Charlie por tão divina inspiração e principalmente por dividi-la conosco!

CONSTRUINDO AMIZADES, CONSTRUINDO O REINO

Nasce a aurora de um novo dia, aparentemente um dia normal com todo o seu esplendor e reflexo de um jardineiro sublime. Mas não é um dia normal ele tem um algo mais que foge a compreensão da grande maioria das pessoas que estão vivendo esse dia, carrega em si um sentimento de satisfação e alegria que os outros dias não possuem, algo que nos impele a querer gritar com toda a força do coração, ah!se não fosse as barreiras da educação. Mas para não prender em mim o sentimento, usarei um artifício comum na internet, o uso das letras maiúsculas para significar um toma mais alto na voz.

PARABÉNS!!! PELOS SEIS MESES DE BLOG SOMOS SERVOS!!!!

Evidente que toda a alegria não provem somente da satisfação de escrever, mas principalmente, do circulo de amizades que se desenvolveu ao longo desses seis meses. Amizades anônimas em algumas circunstâncias, outras bem presente em nossas vidas.

O blog não só representa como é uma comunidade, formada ao redor do desejo de evangelizar com renovado ardor missionário, se utilizando de todos os meios para que ninguém fique sem ler ou saber algo sobre aquele que a razão da existência do blog: Nosso Senhor Jesus Cristo.

Diz o apostolo dos gentios: “Mas, como diz a Escritura: “o que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram e o coração do homem não percebeu foi isso que Deus preparou para aqueles que o amam.”Deus, porém, o revelou a nós pelo Espírito.”(1Cor 2, 9). Essa união que se deu através do blog é obra do espírito que se move de maneira misteriosa atraindo todos os que querem realizar algo em favor do reino de Deus.

PARABÉNS!!! A TODOS QUE NESSES SEIS MESES FORAM VERDADEIROS SERVOS DO REINO.!!!

1 de dezembro de 2007

Advento - tempo de espera

Olá irmãos!

Nosso blog, assim como a Igreja Mãe e o mundo cristão, já respira o Natal do Senhor!
Na música, nas imagens, nas cores e nas mensagens o mundo vive, através da proclamação que vem da Igreja , o Advento - a espera. E nós também queremos esperar!

A verdade é que quando se inicia o mês de dezembro a humanidade vive uma espécie de euforia, uma certa alegria e vontade de juntar-se àqueles que consideramos queridos. Tudo tem cheiro de Natal! A contagem é regressiva! O ano termina para a maioria dos povos da Terra, e com o final do ano, a vinda de uma nova esperança e de uma nova chance de recomeçar!


Quando os pastores foram avisados do nascimento de Jesus certamente nem sabiam que havia um Messias que iria nascer para salvar a humanidade, mas mesmo assim foram contagiados pelo encanto do Natal. Assim aconteceu também com os reis magos, que contagiados por tal encanto fizeram longa caminhada até conhecer o Messias, o Rei, um menino pobre que nasceu na estrebaria, um Menino-Deus que reinaria soberano!
Hoje podemos contemplar a mesma situação. O encanto do Natal penetra até os corações mais endurecidos! Os aeroportos, as rodoviárias, a estações de trem, todos os meios de transporte ficam cheios de pessoas que desejam estar em casa na noite de Natal, pessoas que muitas vezes igualmente aos reis magos e aos pastores, nem sabem porque tudo parece tão diferente e encantador! Acabam se entretendo com presentes e vitrines de lojas, com mesas cheias de iguarias típicas dessa época e não conseguem perceber o milagre que aconteceu na noite de Natal.
Nossa missão durante o advento é a mesma missão que tiveram os anjos e a estrela guia naquela noite, apontar o Messias aos que ainda não conhecem os caminhos da estrebaria. Precisamos nos unir a Igreja através das novenas natalinas e dos gestos concretos de evangelização, fraternidade e partilha dos bens e dos alimentos.
Meus irmãos, o povo do Antigo Testamento também viveu um longo advento, e eles nem sabiam quem era o Messias. Porém, mesmo assim eram capazes de doar a própria vida para que os caminhos do Senhor fossem abertos! Hoje nosso advento é diferente, vivemos um tempo de espera no qual o próprio Rei é quem nos fortalece.
No dia em que Jesus nasceu os reis magos levaram presentes que expressavam a realeza de Jesus: ouro, incenso e mirra. Hoje, Jesus espera presentes muito mais reais, e reais no sentido mais amplo da palavra. Precisamos ir até o Menino-Deus com as mãos cheias de caridade, fraternidade, esperança, serviço, disponibilidade, misericórdia e do especial amor que Ele mesmo tem nos dado por toda nossa vida, pois só quando nos dispusermos a entrar na estrebaria e presentear o Menino com nossas vidas, é que a realeza do Messias será proclamada pelos céus e pela Terra. Precisamos nos preparar!
Um feliz advento irmãos! Nos encontramos na noite de Natal para juntos entregarmos ao Menino Jesus os presentes que preparamos em homenagem a sua realeza.
É tempo de esperar no Senhor! Tempo de esperança, amor e paz!

Leituras para o mês de dezembro

DEZEMBRO


 

1     Verde. Sábado da 34ª semana TC.

Ofício do dia de semana e Missa à escolha ou

Br. Nossa Senhora no Sábado, MFac.

Ofício e Missa da memória de Nossa Senhora.


 

Leituras: Dn 7, 15-27; Cânt.: Dn 3, 82. 83. 84. 95. 86. 87       (+ 59b)

Lc 21, 34-36

2     + Roxo.1º DOMINGO DO ADVENTO.

1ª semana do Saltério.

Ofício dominical do Advento.

Missa pr: (sem Gl), Cr, Pf do Advento I.


 

Leituras (ano A): Is 2, 1-5; Sl 121 (122), 1-2. 4-5. 6-7. 8-9
      (+ 1); Rm 13, 11-14a

Mt 24, 37-44 (Vigilância)

3     Br. 2ª-feira. S. Francisco Xavier Presb., memória.

Ofício da memória.

Missa pr.: Pf do Advento I ou dos Pastores.


 

Leituras: Is 4, 2-6; Sl 121 (122), 1-2. 3-4a. (4b-5. 6-7). 8-9

(+ 1)

Mt 8, 5-11

4     Roxo. 3ª-feira da 1ª semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Missa pr (no Missal depois do 4º Domingo),

com Coleta da 1ª semana: Pf do Advento I ou

Br. S. João Damasceno PresbDr, MFac.

Ofício e Missa da memória.


 

Leituras: Is 11, 1-10; Sl 71 (72), 2. 7-8. 12-13. 17 (+ cf. 7)
      Lc 10, 21-24

5     Roxo. 4ª-feira da 1ª semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Missa pr com 1ª Coleta: Pf do Advento I.


 

Leituras: 25, 6-10a; Sl 22 (23), 1-3a. 3b-4. 5. 6 (+ 6cd)

Mt 15, 29-37

Na Diocese de Presidente Prudente, amanhã, aniversário da ordenação episcopal do Sr. Bispo Emérito, Dom Antônio Agostinho Marocchi.

Na Diocese de Guajará-Mirim, amanhã, aniversário de falecimento do 2º Bispo, Dom Luiz Roberto Gomes de Arruda (+ 2003).

6     Roxo. 5ª-feira da 1ª semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Missa pr com 1ª Coleta: Pf do Advento I ou

Br. S. Nicolau B, MFac.

Ofício e Missa da memória.


 

Leituras: Is 26, 1-6; Sl 117 (118), 1 e 8-9. 19-21. 25-27a

( 26a);

Mt 7, 21.24-27

7     Br. 6ª-feira. Sto. Ambrósio BDr, memória.

1ª Sexta-feira do mês.

Ofício da memória.

Missa pr: Pf do Advento I ou dos Pastores.


 

Leituras: Is 29, 17-24; Sl 26 (27), 1. 4. 13-14 (+ 1a)

Mt 9, 27-31

8     + Br. Sábado.
IMACULADA CONCEIÇÃO DE NOSSA SENHORA, solenidade.

Ofício solene próprio (sem II Vésperas).

Missa pr: Gl, Cr, Pf próprio.


 

Leituras prs: Gn 3, 9-15.20; Sl 97 (98), 1. 2-3ab. 3bc-4 (+
      1a); Ef 1, 3-6.11-12

Lc 1, 26-38

9     + Roxo. 2º DOMINGO DO ADVENTO.

2ª semana do Saltério.

Ofício dominical do Advento.

Missa pr: (sem Gl), Cr, Pf do Advento I.


 

Leituras: Is 11, 1-10; Sl 71 (72), 2. 7-8. 12-13. 17 (+ cf. 7);       Rm 15, 4-9

Mt 3, 1-12 (Mensagem de João Batista)


 

10     Roxo. 2ª-feira da 2ª semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Missa pr com 2ª Coleta: Pf do Advento I.


 

Leituras: Is 35, 1-10; Sl 84 (85), 9ab-10. 11-12. 13-14 (+ Is
       35, 4d)

Lc 5, 17-26

11     Roxo. 3ª-feira da 1ª semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Missa pr com 2ª Coleta: Pf do Advento I ou

Br. S. Damaso I Pp, MFac.

Ofício e Missa da memória ou

Br. S. João Diego, MFac

Ofício e Missa da memória.


 

Leituras: Is 40, 1-11; Sl 95 (96), 1-2. 3 e 10ac. 11-12. 13 (+
       cf. Is 40, 9-10)

Mt 18, 12-14

12     Br. 4ª-feira. Nossa Senhora de Guadalupe,

Padroeira da Améria Latina, festa.

Ofício festivo próprio.

Missa pr: Gl, Pf de Nossa Senhora I ou II.


 

Leituras prs: Gl 4, 4-7; Sl 95 (96), 1-2a. 2b-3. 10 (+ 3a)

Lc 1, 39-47

13     Verm. 5a-feira. Sta. Luzia* VgMt, memória.

Ofício da memória.

Missa da memória: Pf do Advento I ou da Santa.


 

Leituras: Is 41, 13-20; Sl 144 (145), 1 e 9. 10-11. 12-13ab (+ 8)

Mt 11, 11-15

14     Br. 6a-feira. S. João da Cruz PresbDr, memória.

Ofício da memória.

Missa pr: Pf do Advento I ou dos Pastores.


 

Leituras: Is 48, 17-19; Sl 1, 1-2. 3. 4 e 6 (+ cf. Jo 8, 12)

Mt 11, 16-19

15     Roxo. Sábado da 2ª semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Missa pr com 2ª Coleta: Pf do Advento I.


 

Leituras: Eclo 48, 1-4.9-11; Sl 79 (80), 2ac e 3b. 15-16. 18-
      19 (+ 4)

Mt 17, 10-13


 

16     + Roxo ou Róseo. 3º DOMINGO DO ADVENTO.

3ª semana do Saltério.

Coleta para a sustentação da Evangelização da Igreja.

Ofício dominical do Advento.

Missa pr "Gaudete": Cr, Pf do Advento I.


 

Leituras: Is 35, 1-6a.10; Sl 145 (146), 7. 8-9a. 9bc-10 (+ cf.
       Is 35, 4); Tg 5, 7-10

Mt 11, 2-11 (Jesus fala sobre João Batista)


 

17     Roxo. 2ª-feira da 3ª semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Antífona do Invitatório e Hinos próprios.

Nas Laudes e Vésperas ant. prs. de 2ª-feira.

Antífona do Magnificat: O Sapientia.

Missa pr do dia 17: Pf do Advento II.


 

Leituras: Gn 49, 2.8-10; Sl 71 (72), 2. 3-4ab. 7-8. 17 (+ cf. 7)

Mt 1, 1-17

18     Roxo. 3ª-feira da 3ª semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Antífona do Invitatório e Hinos prs.

Nas Laudes e Vésperas: ant. prs. de 3ª-feira.

Antífona do Magnificat: O Adonai.

Missa pr do dia 18: Pf do Advento II.


 

Leituras: Jr 23, 5-8; Sl 71 (70), 2. 12-13. 18-19 ( cf. 7)

Mt 1, 18-24

19     Roxo. 4ª-feira da 3ª semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Antífona do Invitatório e Hinos prs.

Nas Laudes e Vésperas: ant. prs. de 4ª-feira.

Antífona do Magnificat: O Radix.

Missa pr do dia 19: Pf do Advento II.


 

Leituras: Jz 13, 2-7.24-25a; Sl 70 (71), 3-4a. 5-6ab. 16-17
      ( cf. 8ª)

Lc 1, 5-25

20     Roxo. 5ª-feira da 3ª semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Antífona do Invitatório e Hinos prs.

Nas Laudes e Vésperas: ant. prs. de 5ª-feira.

Antífona do Magnificat: O Clavis.

Missa pr do dia 20: Pf do Advento II.


 

Leituras: Is 7, 10-14; Sl 23 (24), 1-2. 3-4ab. 5-6 (+ cf. 7c e 10b)

Lc 1, 26-38

Na Diocese de Caxias do Maranhão, amanhã, aniversário de falecimento do 1º Bispo, Dom Luiz Gonzaga da Cunha Marelim (+ 1991).

21     Roxo. 6ª-feira da 3ª semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Antífona do Invitatório e Hinos prs.

Nas Laudes e Vésperas: ant. prs. de 6ª-feira.

Antífona do Magnificat: O Oriens.

CmFac de S. Pedro Canísio PresbMt.

Missa pr do dia 21: Pf do Advento II.


 

Leituras: Ct 2, 8-14 ou Sf 3, 14-18a; Sl 32 (33), 2-3. 11-12.
       20-21 (+ 1a e 3a)

Lc 1, 39-45


 

22     Roxo. Sábado da 3a semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Antífona do Invitatório e Hinos prs.

Nas Laudes: ant. prs. de Sábado.

Missa pr do dia 22: Pf do Advento II.


 

Leituras: 1Sm 1, 24-28; Cânt.: 1Sm 2, 1. 4-5. 6-7. 8abcd (+ 1a)

Lc 1, 46-56


 

23     + Roxo. 4º DOMINGO DO ADVENTO.

4ª semana do Saltério.

Ofício dominical do Advento.

Antífona do Magnificat: O Emmanuel.

Missa pr: (sem Gl), Cr, Pf do Advento II.


 

Leituras: Is 7, 10-14; Sl 23 (24), 1-2. 3-4ab. 5-6 ( 7c e
      10b); Rm 1, 1-7

Mt 1, 18-24 (José e Maria)

24     Roxo. 2ª-feira da 4a semana do Advento.

Ofício do dia de semana do TAdv.

Antífona do Invitatório e Hinos prs.

Nas Laudes: ant. prs. do dia 24.

Missa pr do dia 24 (matutina): Pf do Advento II.


 

Leituras: 2Sm 7, 1-5.8b-12.14a.16; Sl 88 (89), 2-3. 4-5. 27
      e 29 (+ cf. 2a)

Lc 1, 67-79


 

Leituras: Is 62, 1-5; Sl 88 (89), 4-5. 16-17. 27 e 29 (+ 2a);

At 13, 16-17.22-25

Mt 1, 1-25 ou abrev. 18-25

25    + Br. 3ª-feira. NATAL DE NOSSO SENHOR JESUS
       CRISTO,
solenidade com Oitava.

Ofício solene próprio.

Missas (três) prs: Gl, Cr, Pf do Natal.

No Cânon Romano: "Em comunhão" pr durante toda a Oitava.


 

Leituras da 1ª Missa: Is 9, 1-6; Sl 95 (96), 1-2a. 2b-3. 11-
      12. 13 (+ Lc 2, 11); Tt 2, 11-14

Lc 2, 1-14


 

Leituras da 2ª Missa: Is 62, 11-12; Sl 96 (97), 1 e 6. 11-12

(+ Brilha hoje uma luz sobre nós, pois nasceu para nós o Senhor.)

Tt 3, 4-7; Lc 2, 15-20


 

Leituras da 3ª Missa: Is 52, 7-10; Sl 97 (98), 1. 2-3ab. 3cd-
      4. 5-6 (+ 3c); Hb 1, 1-6

Jo 1, 1-18 ou abrev. 1-5.9-14

26     Verm. 4ª-feira. Sto. Estevão* Diácono, Protomártir, festa.

Ofício festivo próprio.

Na Hora Média, ant. do Natal e salmos do dia de Semana.

Vésperas da Oitava do Natal.

Missa pr: Gl, Pf do Natal.


 

Leituras prs: At 6, 8-10; 7, 54-59; Sl 30 (31), 3cd-4. 6 e
       8ab. 16bc e 17 (+ 6a)

Mt 10, 17-22

27     Br. 5ª-feira. S. João* Ap e Evangelista, festa.

Ofício festivo próprio.

Na Hora Média, ant. do Natal e salmos do dia de semana.

Vésperas da Oitava do Natal.

Missa pr: Gl, Pf do Natal.


 

Leituras prs: 1Jo 1, 1-4; Sl 96 (97), 1-2. 5-6. 11-12 (+ 12a)

Jo 20, 2-8

Na Diocese de Sinop, amanhã, aniversário de falecimento do 1º Bispo, Dom Henrique Froelich (+ 2003).

28     Verm. 6ª-feira. Santos Inocentes Mts., festa.

Ofício festivo próprio.

Na Hora Média, ant. do Natal e salmos do dia de semana.

Vésperas da Oitava do Natal.

Missa pr: Gl, Pf do Natal.


 

Leituras prs: 1Jo 1, 5 – 2, 2; Sl 123 (124), 2-3. 4-5. 7b-8 (+ 7a)

Mt 2, 13-18

Na Diocese de Itabira-Coronel Fabriciano, amanhã – DEDICAÇÃO DA CATEDRAL (cf. p. 39, n. 1).

Na Prelazia de Xingu, amanhã, aniversário de falecimento do 2º Bispo Prelado, Dom Eurico Kräutler (+ 1985).

29     Br. Sábado. 5º Dia da Oitava do Natal.

Ofício próprio da oitava do Natal.

CmFac de S. Tomás Becket BMt.

Missa pr do dia 29: Gl, Pf do Natal.

No Cânon Romano: "Em comunhão" pr.


 

Leituras: 1Jo 2, 3-11; Sl 95 (96), 1-2a. 2b-3. 5b-6 (+ 11a)

Lc 2, 22-35

30     + Br. Domingo. SAGRADA FAMÍLIA, JESUS MARIA E JOSÉ, festa.

Ofício festivo próprio.

Na Hora Média, ant. do Natal e salmos do dia de semana.

Missa pr: Gl, Cr, Pf do Natal.


 

Leituras prs: Eclo 3, 3-7.14-17a* ; Sl 127 (128), 1-2. 3. 4-5
      (+ cf. 1); Cl 3, 12-21

Mt 2, 13-15.19-23 (Fuga para o Egito)


 

31     Br. 2ª-feira. 7º Dia da Oitava do Natal.

Ofício próprio da oitava do Natal.

CmFac de S. Silvestre I Pp.

Missa pr do dia 31: Gl, Pf do Natal.

No Cânon Romano: "Em comunhão" pr.


 

Leituras: 1Jo 2, 18-21; Sl 95 (96), 1-2. 11-12. 13 (+ 11a)

Jo 1, 1-18