ZENIT - O mundo visto de Roma

Fides News Português

Gaudiumpress Feed

2 de abril de 2010

QUINTA ESTAÇÃO:Jesus é ajudado por Simão Cireneu a levar a Cruz

V/. Adoramus te, Christe, et benedicimus tibi.

R/. Quia per sanctam crucem tuam redemisti mundum.



Do Evangelho segundo Lucas 23,26



Enquanto levavam Jesus, pegaram um certo Simão, de Cirene, que voltava do campo, e mandaram-no carregar a cruz atrás de Jesus.


MEDITAÇÃO


Jesus devia estar verdadeiramente esgotado, e os soldados remedeiam a situação agarrando o primeiro desafortunado que encontraram, fazendo-o carregar a cruz. Também na vida de cada dia, a cruz, sob muitas formas diversas – desde uma doença até um grave acidente, até à perda de uma pessoa cara ou do trabalho– se abate muitas vezes de improviso, sobre nós. E nós vemos nela somente pouca sorte ou, no pior dos casos, uma desgraça.

Mas, Jesus dissera aos seus discípulos: “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo. Tome a sua cruz e me siga” (Mt 16,24). Não são palavras fáceis; antes, na vida concreta, são as palavras mais difíceis do Evangelho. Todo o nosso ser, tudo aquilo que existe dentro de nós, revolta-se contra semelhantes palavras.

Todavia, Jesus continua dizendo: “Pois quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, vai encontrá-la” (Mt 16,25). Detenhamo-nos nas palavras “por causa de mim”: aqui está toda a pretensão de Jesus, a consciência que tinha de si mesmo e a exigência que nos faz. Ele está no centro de tudo, ele é o Filho de Deus que é um só com Deus Pai (cf. Jo 10,30), ele é o nosso único Salvador (cf. At 4,12).

Com efeito, aquilo que no início parecia somente pouca sorte ou uma desgraça se revela depois, amiúde, uma porta que se abriu na nossa vida e nos trouxe um bem maior. Mas, nem sempre é assim: tantas vezes, neste mundo, as desgraças não passam de perdas dolorosas. Também aqui Jesus tem algo a dizer-nos. Ou melhor, aconteceu algo com ele: depois da cruz, ele ressuscitou dos mortos e ressuscitou como primogênito de muitos irmãos (cf. Rm 8,29; 1Co 15,20). Sim, a sua cruz não pode ser separada da sua ressurreição. Somente acreditando na ressurreição podemos percorrer de modo sensato o caminho da cruz.



Todos:



Pater noster, qui es in cælis;

sanctificetur nomen tuum;

adveniat regnum tuum;

fiat voluntas tua, sicut in cælo et in terra.

Panem nostrum cotidianum da nobis hodie;

et dimitte nobis debita nostra,

sicut et nos dimittimus debitoribus nostris;

et ne nos inducas in tentationem;

sed libera nos a malo.



Quis est homo qui non fleret,

Matrem Christi si videret

in tanto supplicio?