ZENIT - O mundo visto de Roma

Fides News Português

Gaudiumpress Feed

1 de março de 2009

1º Domingo da Quaresma - O deserto

Após ser batizado no Rio Jordão por João Batista, da nuvem veio uma voz dizendo: “tu és o meu Filho amado; em ti encontro o meu agrado” (Mc 1,9-11), Jesus é conduzido pelo Espírito ao deserto. (Mc 1,12)O Deserto pode significar o lugar do encontro com Deus. Para alguns especialistas pode ser um “lugar teológico”. O deserto lembra também muitas situações e experiências bíblicas: João Batista apareceu deserto pregando e anunciando um batismo de conversão e também a vinda do Messias Salvador (Mc 1,4-7); o povo de Deus passou quarenta anos no deserto, rumo à terra prometi da ((Ex 16,15); o Evangelista: Marcos a experiência de Jesus no deserto como um lugar onde Jesus vivia entre os serviços dos anjos e a tentação por Satanás (Mc 1,12-13). Na experiência do deserto Jesus sofre a tentação.

Satanás é o rival, que procura frustrar ou desvirtuar o projeto de Deus. Jesus supera a prova.
Inicia a sua atividade messiânica e convive pacificamente com os animais e ao anjos servindo-o (Mc 1,13).

Depois da prisão de João, “Jesus se dirigiu para a Galiléia” (Mc 1,14). Galiléia é o lugar onde Jesus inicia a sua atividade missionária. Nesta localidade Jesus proclama a boa nova de Deus e dizendo: “cumpriu-se o prazo e está próximo e reino de Deus: arrependei-vos e crede no Evangelho (Mc 1,15). Nestas palavras vemos que Jesus condensa todo o projeto de Deus:

a. ele anuncia que o tempo chegou. Agora é o tempo de Jesus, tempo na qual ele realiza plenamente o projeto de Deus. É a todos que ele anuncia a Boa Nova. Porém são os pobres que acolhem a mensagem salvadora de Jesus;

b. Jesus anuncia que o Reino de Deus está próximo. Neste sentido, vemos a proximidade efetiva do reinado de Deus, o exercício de seu poder real na história. Esta é a boa notícia que Jesus anuncia. Ele procurará, ao longo do evangelho, dar um dinamismo do reino, para que as pessoas e as comunidades se abrissem à nova maneira de se relacionar no reino de Deus. Daí a necessidade de “se converter e crer na boa nova”;

c. portanto, no Reino de Jesus há a necessidade de conversão. Conversão é sinal de pertença do Reino de Jesus. Por isso que alguns grupos resistiram à conversão e preferiram permanecer no mesmo ritmo de vida, ao passo que aqueles que descobriram a novidade do Reino e a pessoa de Jesus se transformaram.

O convite de Jesus é direto. O caminho quaresmal exige uma postura nova frente à vida. Para que a conversão possa acontecer é importante crer no Evangelho. E, crer no Evangelho significa assumir o evangelho como caminho de vida. Existe na realidade muitas pessoas que não entendem o que significa converter (mudar de vida) porque não acreditam na força e no dinamismo transformador do Evangelho. Acreditar (=crer) não é apenas aceitar um conjunto de verdades intelectuais, mas é aderir à pessoa de Jesus Cristo (= aceitar o projeto salvífico de Deus) e acolhê-la no coração e fazer dela o guia da vida.


frei João