12 de outubro de 2008

Bodas de Caná - N.S.Aparecida

INTRODUÇÃO À FESTA
Estamos celebrando a Solenidade de Nossa Senhora Aparecida a Padroeira Principal do Brasil. Esta devoção teve início por volta de 1700, quando os três pescadores estavam pescando no Rio Paraíba do Sul (SP) sem muito êxito. Após algumas as tentativas pescaram o corpo e depois a cabeça da imagem da Imaculada Conceição. Eles perceberam que não estavam sozinhos. A imagem era de terracota e de cor negra. Com o tempo passou a ser chamada de Nossa Senhora da Conceição Aparecida porque foi encontrada (apareceu) no Rio Paraíba. Em 1888, foi inaugurada a chamada Basílica Velha. Em 1955, foi iniciada a Construção da atual Basílica. Em 1980, o Papa João Paulo II fez a consagração da Basílica. Em 2007, o Santuário foi a sede da V Conferência do Episcopado Latino Americano, onde o Papa Bento XVI fez a abertura solene da Conferência.
O EVANGELHO:
O Evangelho de São João tem duas grandes partes: o livro dos SINAIS (cap 1-12) e o Livro da GLORIFICAÇÃO (13-21) . 1 – O livro dos Sinais, onde Jesus se revela, através dos sinais, quem Ele é. Assim, nesta primeira parte veremos o Prólogo e os Sete sinais, que aos poucos o leitor irá descobrindo quem é Jesus Cristo. 2 – O Livro da Glorificação de Jesus. Nesta segunda parte o leitor descobrirá o que significa a Glória de Jesus. Assim, veremos a sua despedida, a paixão-glorificação e a ressurreição. Então a Comunidade que está perto de São João, descobrirá que o “Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 2,14), que fez os Sinais onde o Mestre se revela e depois confiou a Pedro a grande missão de apascentar “os cordeiros” (Jo 21,17).
O texto que a festa de Nossa Senhora Aparecida propõe é o das Bodas de Caná (Jo 2,1-11), que é o primeiro Sinal que Jesus fez. Jesus, sua mãe e os seus discípulos foram convidados para a festa de casamento. Durante a festa o vinho acabou e a mãe de Jesus disse: “eles não tem mais vinho” (Jo 2,3). Ele respondeu: “Mulher o que tem havei isso comigo. Minha hora ainda não chegou” (Jo Jo 2,4). Maria disse aos serventes: “Fazei tudo o que ele vos disser”. (Jo 2,5). Porém, o texto deverá ser lido nesta perspectiva dos símbolos e dos sinais que Jesus realizara.
O episódio de Caná acontece após uma série de fatos que sucedidos no período de seis dias em que foi “inaugurada a semana simbólica” iniciada no Evangelho de João (Jo 1,19-51).
Esta idéia é importante porque São João retoma os dados característicos do relato da Criação do mundo (Gn 1,26ss), dando origem à humanidade. Assim em Caná irá acontecer um novo tempo inaugurado por Jesus (símbolo da semana inaugural), através do primeiro sinal realizado, transformado a água em vinho, e os discípulos creram nele (Jo 2,11).
Alguns dados do texto:
- O Vinho: símbolo do amor (Ct 1,2); alegra o coração do homem (Sl 104,15); símbolo da novidade: “o vinho novo deve ser colocado em barris novos” (2,22). No contexto das Bodas de Caná, poderemos notar que com a presença de Jesus será inaugurado uma nova etapa da sua missão. E esta missão tem o caráter simbólico do vinho novo, com um sabor novo e transbordante.
- A Água: símbolo da purificação utilizada pelo povo judeu. Agora Jesus transformou esta mesma água em vinho, mostrando que a verdadeira purificação e conversão passam não mais apenas pela água, mas sim através do encontro pessoal com ELE, simbolizado no vinho novo.
- A presença de Maria, Mãe de Jesus: Maria aparece apenas como convidada. Jesus a chama de Mulher, que a muitos podem surpreender este tipo de tratamento, principalmente vindo da sua parte. Porém, Maria está simbolizando a realidade da mulher mãe, que significa todo o povo de Israel, ou ainda a realidade da nova Eva, mãe de todos os viventes que desejam ser fiéis a Cristo. A sua missão é indicar: “fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5) e não definir os tempos e as ações de Jesus.
- A realidade da HORA DE JESUS: no Evangelho Jesus disse: “mulher a minha hora ainda não chegou” (Jo 2,4). Ele será a novidade definitiva dos tempos messiânicos. Portanto a HORA DE JESUS está em sintonia com a sua glorificação e a sua partida definitiva para o Pai. Contudo a hora que não chegou em Caná, chegará no momento da Cruz, momento em que Jesus dirá: “mulher, eis o teu filho, filho eis a tua mãe” (Jo 19,26-27.29).
- A glória de Jesus: A glorificação de Jesus está intimamente unida à glória do Pai. O primeiro Sinal de Caná e os outros seis têm à finalidade de manifestar a Glória de Jesus e de suscitar a fé dos discípulos e daqueles que fazem a opção por Ele (Jo 2,11; 4,50; 9,50; 11,27). No texto chamado “Oração Sacerdotal de Jesus” (Jo 17) Jesus reza assim: “Pai, chegou a hora: Glorifica o teu Filho, para que o Filho glorifique a Ti” (Jo 17,1). “A glória do Pai e a do Filho são correlativas: o Pai glorifica o Filho e essa glória reverte no Pai. O Filho glorifica o Pai, cumprindo a obra de amor que manifesta a plena fidelidade ao projeto salvífico”. Por isso o Filho dirá quando chegar a hora da glorificação definitiva no alto da cruz: “tudo está realizado” (Jo 19,30).
(enviado por fr. João)

Seguidores

Google+ Followers

Viva Nossa Senhora!

Wikipedia

Resultados da pesquisa

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email