ZENIT - O mundo visto de Roma

Fides News Português

Gaudiumpress Feed

30 de junho de 2008

Devotos da cruz

No tempo de Jesus a cruz era sinal de condenação, de punição pelos crimes cometidos contra a sociedade ou contra o governo romano que institui a crucificação como pena de morte, como paga pelos erros cometidos. Jesus ao viver sua humanidade foi condenado à cruz pelo simples fato de expôr a verdade e vivê-la com intensidade diante do olhar voraz dos mestres da lei. Foi condenado nosso Jesus! Condenado a carregar uma cruz que ele jamais cultivou, uma cruz tão pesada quanto jamais nosso Jesus desejou levar sobre si. A cruz que Jesus carregou de tão pesada cortava sua carne e dilacerava sua humanidade, pois os mesmos que ele amava eram aqueles que vibravam com seu martírio e suplício durante o calvário. Mas Jesus, mesmo não tendo nada que o incriminasse diante do tribunal, acolheu sua cruz e a carregou até o fim, até que a vontade do Pai se cumprisse em sua vida e na vida daqueles por quem ele carregava e vivia aquela cruz, que de tão amada se tornou sagrada.
Na Bíblia Sagrada não encontramos nenhuma fala de Jesus em que ele almodiçoe sua cruz ou ainda que culpe seu Pai por permitir que ele a carregasse. Jesus sempre foi um filho obediente que viveu o dom da entrega total diante dos céus e da terra, diante do Pai que o conhece desde sempre e até o infinito. E ao viver esse dom de entregar-se por nós Jesus transformou o que antes era castigo e punição em salvação, pois hoje ao contemplar a cruz nossos olhos não avistam mais um sinal de morte ou suplício, mas o sinal da salvação a partir da entrega total, salvação que vem a nós a partir de nossa capacidade de se entregar sem receios aos projetos de Deus, se entregar sem receios à missão de endireitar caminhos para que outros possam encontrar a vida plena que está em Cristo.
Sabe por que Jesus não largou sua cruz? Ele sabia que o mesmo Deus que permitia tanta dor era aquele que abriu o Mar Vermelho para que o povo pudesse passar a pé enxuto, era o mesmo Deus que fez descer fogo do céu para que a fogueira de Elias pudesse incendiar a vida de todos os que ainda não acreditavam. Jesus nunca deixaria sua cruz para trás, pois sabia que a palavra de seu Pai jamais voltaria atrás, sabia que jamais seria desamparado por aquele que o criou e predestinou à vida eterna. Porém, Jesus nunca disse que foi fácil carregar a cruz por mim e por você!
Hoje, diante de tantas cruzes que continuam a dilacerar nossa humanidade, assim como aconteceu com Jesus, temos muitas vezes o impulso de rejeitar nossa cruz, somos preenchidos por um desejo latejante de largar a cruz e pedir que Deus nos alivie as dores causadas pelo contato frio e mortífero do madeiro doloroso. Isso ocorre pelo fato de que, diferente de Jesus, não compreendemos que a cruz não é mais sinal de punição ou sofrimento que nos rouba a oportunidade de viver com alegria nossa missão, é o oposto, é a virtude de sempre optar pelos projetos de Deus. Irmãos, se compreendêssemos o verdadeiro sentido da cruz não perderíamos tempo pensando em suas causas, mas nos concentraríamos em pensar em seus frutos de vida eterna, pois é esse o destino que encontramos logo após o calvário, a vida eterna e plena diante de Deus.
Não devemos vacilar diante da cruz que nossa missão nos oferece assim que dizemos sim a Deus, pois Deus é capaz de abrir mares sempre que for necessário para que possamos atravessar a pé enxuto todas as dificuldades de nossa exitência enquanto homens e mulheres escolhidos e amados, pois somos prediletos como nenhuma criatura jamais o será. Durante a crição Deus sempre achava bom todas as obras de sua mão, porém, ao criar o homem Deus viu que era muito bom o que ele tinha feito. E dessa forma podemos está certos de que até agora Deus tem olhado para nós com o mesmo amor que olhou para sua criatura no dia da criação, pois Deus é fiel e sua palavra jamais passará.
Para nós que pretendemos viver e trilhar os mesmos caminhos de Jesus e assim alcançar a glória celeste é inevitável carregar a cruz, e é por isso que sempre devemos contemplá-la como verdadeiramente ela é, sinal da salvação de Jesus em nós. Sempre que você achar que seu fardo está pesado demais irmão, faça como Jesus deve ter feito, feche seus olhos e contemple a luz que irradia de sua cruz, o amor que Deus derrama sobre sua vida cada vez que você dá um passo rumo ao céu, pois cada vez que a cruz parece rasgar sua carne é aí que o Pai envia seu Espírito Santo, que assim como o Cireneu, faz o fardo parecer tão leve quanto somente os que amam a Deus podem sentir.
Carregar a cruz com amor, devoção total e sem vacilar, eis o caminho da redenção e da vida plena. Deixemo-nos envolver pela luz que irradia da cruz de Jesus, encostemos nossa cruz na cruz do Senhor e sintamos quão suave é segui-lo pelo calvário. Que através da experiência da cruz possamos viver o amor de Deus por nós, que faz a vida parecer um lindo jardim onde o amanhecer sempre faz o perfume das flores ficar mais intenso quando os raios do sol começam a enxugar as gotas de orvalho que a noite deixou.
Paz irmãos!
Que a Virgem Mãe, que seguiu Jesus silenciosamente durante todo o caminho até a cruz, possa nos acompanhar em nossa caminhada e ser nossa intercessora no céu!