19 de maio de 2008

Jesus Cristo, a imagem do Pai

“Ele é a imagem do Deus invisível, o Primogênito, anterior a qualquer criatura; porque nele foram criadas todas as coisas, tantos as celestes como as terrestres, as visíveis como as invisíveis: tronos, soberanias, principados e autoridades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele existe antes de todas as coisas e tudo nele subsiste.” (Cl 1,15-17).

São Paulo escreve esta carta aos cristãos da cidade de Colossas. Esta pequena cidade se localizava na Ásia Menor, a 200 km de Éfeso. Estes cristãos eram provenientes do paganismo e se converteram ao cristianismo. Esta Carta foi escrita no período em que o Apóstolo se encontrava na prisão, provavelmente em Éfeso, entre os anos 55 e 57.

Neste sentido a carta do Apóstolo fala que “Cristo é a imagem do Deus invisível” (Cl 1,15). Seria importante para nós aprofundarmos o verdadeiro sentido da “imagem” que a Sagrada Escritura nos transmite.

A cultura da imagem está presente em nossas vidas. Esta cultura ficou muito presente no final do século passado e no início deste novo milênio. Hoje, mais do que nunca, a vida está marcada por diversas situações, na qual a imagem está presente. Porém, a Bíblia Sagrada fala sobre as imagens de diversas maneiras. Vejamos algumas:
  • “Não faça para você ídolos , nenhuma representação daquilo que existe no céu e na terra. Não se prostrem diante desses deuses, nem sirva a eles, porque eu, Javé seu Deus, sou ciumento...” (Ex 20,4-5)
Comentário: estes dois versículos estão situados no contexto do Decálogo (Os Dez Mandamentos), nas qual o Povo de Deus, liberto da escravidão do Egito, fez a Aliança com Deus. Neste sentido Deus proíbe fazer outras imagens, para que o Povo não seja tentado a servir outros falsos deuses e serem manipulados por eles.
  • “Nas duas extremidades da placa, faça dois querubins de ouro batido...” (Ex 25,18).
Comentário: Este versículo é importante para o Povo de Deus, que retrata a idéia de conservação das tradições judaicas. O convite diz respeito a adoração do único Deus libertador. Por isso Javé, o Deus que salva e liberta, mandou construir querubins (= anjos) e colocar nas extremidades.
  • “Fizeram para si um bezerro de metal fundido, e o adoraram, oferecendo a ele sacrifícios e dizendo: Israel, este é o seu deus que tirou você do Egito” (Ex 32,8).
Comentário: A adoração ao “bezerro de ouro” lembra as infidelidades do povo de Deus no deserto e a distância que originou entre Deus e o seu povo. Também podemos perceber o delito cometido pelo povo, logo ao nascer como povo de Deus. Porém Javé insiste com Moisés, seu mediador: “Desça, porque seu povo, que você tirou do Egito, se perverteu. Desviaram-se logo do caminho que eu lhes havia ordenado” (Ex 32,7-8).
  • “Façamos o homem a nossa imagem e semelhança” (Gn 1,26)
Comentário: A narração do Livro do Gênesis tem duas grandes partes: A origem do mundo e da humanidade (Gn 1 – 11) e a origem do Povo de Deus (Gn 12 – 50). “A narrativa da criação não é um tratado científico, mas um poema que contempla o universo como criatura de Deus. Foi escrito no período do Exílio da Babilônia entre os anos 586-538 a.C.” (cf. a nota da Bíblia Sagrada, Edição Pastoral, Ed. Paulus). O versículo em questão (Gn 1,26), fala sobre a criação do homem e da mulher, como imagem e semelhança de Deus. A estes “Javé Deus soprou-lhes nas narinas um sopro de vida e o homem [e a mulher] tornou-se um ser vivente” (Gn 2,7).

Assim perceberemos que a Sagrada Escritura orienta de distintas maneiras a realidade sobre as imagens. Talvez fosse importante salientar que não poderemos tomar ao “pé da letra” o que a Escritura Sagrada diz sobre as imagens. Não podemos restringir as orientações sobre as imagens apenas num versículo como nos apresenta o livro do Êxodo 20,4, sem ter presente o contexto em que foi escrito.

A imagem lembra outra realidade que não podemos fechar os olhos. A cultura da imagem, presente em nossas vidas, faz com que, à luz da Palavra de Deus, façamos um verdadeiro e profundo discernimento com relação a adoração das imagens. Para nós, que somos cristãos e católicos, e formamos o , Povo de Deus, que é sacerdotal, real e profético, é importante ter a idéia clara sobre a realidade das imagens. As variadas imagens de Nossa Senhora nos lembram que Maria é Mãe de Jesus. Sabemos que não adoramos as imagens de Maria. Mas por outro lado, sabemos que Ela foi a discípula fiel até as últimas conseqüências. São João escreve que a mãe de Jesus disse: “fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5).

Contudo, frente a mais variadas imagens que a Escritura nos mostra, aprofundaremos imagem de Cristo Jesus, que é a “imagem do Deus invisível”. No Prólogo de São João encontramos: “Ninguém jamais viu a Deus; quem nos revelou Deus foi o Filho unigênito, que está junto ao Pai” (Jo 1,18). Sendo assim, se quisermos ver a face de Deus, precisaremos conhecer quem é Jesus. Ele nos revela quem é o Pai. Neste caso, não poderíamos ficar com a idéia de que Deus proíbe “fazer e adorar imagens”. São Paulo afirma que “Cristo é a imagem do Deus invisível...” (Cl 1,15). Então, Javé o nosso Deus libertador, se revela em seu filho Jesus Cristo, que por sua vez nos mostra a verdadeira imagem de Deus.

Algumas perguntas para refletir:

Como a Bíblia fala sobre as imagens?
Como São Paulo relata a “imagem do Deus invisível”?
Os católicos adoram imagens?

Frei João Carlos Ribeiro, osm

Seguidores

Google+ Followers

Viva Nossa Senhora!

Wikipedia

Resultados da pesquisa

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Follow by Email