ZENIT - O mundo visto de Roma

Fides News Português

Gaudiumpress Feed

1 de dezembro de 2007

O TEMPO LITÚRGICO DO NATAL

 

FICHA 17

 

26 de novembro de 2007 

  


 

O TEMPO LITÚRGICO DO NATAL


 

Lúcia Soldera


 

Em todos os tempos litúrgicos celebramos a centralidade do mistério de Jesus Cristo (encarnação, paixão, morte, ressurreição).

No CICLO DO NATAL, celebramos privilegiadamente a Encarnação de Jesus; celebramos o Emanuel, Deus que veio até nós.

Todo tempo litúrgico é constituído por três etapas. O 'antes' significa a preparação para a festa que se vai celebrar. O 'centro' é a festa celebrada. O 'depois' é sua continuação, ou seja, a graça e a alegria daquele dia prolongam-se por um período.

No CICLO DO NATAL, o antes é o Advento; o centro é o próprio Natal (festa da encarnação de Deus); o depois é seu prolongamento nas festas da manifestação do Senhor.

Cada um destes três momentos tem características próprias. Vejamos.


 

ADVENTO - no 1º domingo do Advento inicia-se o Ano Litúrgico. O Advento é formado pelos quatro domingos que antecedem o Natal. É tempo de preparação para a visita do Salvador que vem armar sua tenda entre nós. Este não é um tempo penitencial, mas de preparação para um grande acontecimento, portanto de discreta alegria. Por exemplo, durante estes quatro domingos não cantamos o Glória, para que na Noite de Natal, quando juntamos nossas vozes à voz dos anjos, com mais força ressoe nosso louvor a Deus que, por seu imenso amor, nos enviou seu filho. A Liturgia do Advento celebra tanto a 1ª vinda de Jesus (encarnação) como sua 2ª vinda (ao final dos tempos).

Os personagens principais do Advento são: Maria (testemunha privilegiada do mistério da encarnação); Isaías ( o profeta da preparação); João Batista (o precursor).

A Coroa do Advento, cujas quatro velas, vamos acendendo uma a uma, domingo após domingo, nos lembra que a luz do Salvador brilhará sobre nós.

Advento é, pois, tempo de esperança, de expectativa pela vinda do Senhor. É tempo de aclamarmos: "Vem, Senhor Jesus!"


 

NATAL – é o grande momento em que celebramos Deus que veio até nós, celebramos o Emanuel – Deus entre nós. A centralidade desta noite está na encarnação. É noite de incontida alegria, é noite de luz. Com os anjos cantamos "Glória a Deus nas alturas".

Na sociedade atual, segmentos diversos apropriaram-se do Natal e o transformaram num evento (algo eventual, passageiro), numa época de lucrativas vendas, num período de alegria 'de fachada'. Lembremos que o Natal, para nós, discípulos missionários de Jesus Cristo, é um grande acontecimento, que gera em nós compromisso de fé e de vida. É um tempo de verdadeira alegria, pois o Salvador está entre nós.

O presépio concretiza, a nossos olhos, o filho de Deus feito homem - ali, na pobreza e na simplicidade de uma gruta, acolhido pelos mansos e humildes de coração.

Após o dia de Natal, seguem-se algumas festas, denominadas "Festas da Manifestação do Senhor" :

  • domingo após o Natal – Sagrada Família – a centralidade está em Jesus que, vindo até nós no seio de uma família, estabeleceu a relação entre a família humana e a família divina.
  • 1º de janeiro – festa da Mãe de Deus – celebramos Maria como testemunha privilegiada do mistério da encarnação. Ela é grande não por si mesma, mas porque aceitou ser o instrumento para que Deus viesse até nós.
  • 06 de janeiro (ou no domingo entre os dias 2 e 8 de janeiro) – Epifania – também conhecida como festa dos Reis Magos – é a festa da manifestação do Senhor. Deus que veio para salvar todos os povos.

No domingo depois do dia 6 de janeiro – Batismo – aqui se conclui a missão de João Batista que preparou os caminhos do Senhor. Tem início a vida pública de Jesus.


 


 

Perguntas para reflexão pessoal e em grupos:


 

  1. Como, em nossa comunidade, vivenciamos o Advento? Ele é para nós, efetivamente, um tempo de preparação, de alegre esperança?
  2. Que significado damos aos dias de Natal? Como nesta festa, podemos manifestar que nosso coração está pronto a acolher o Emanuel, Deus que veio a nós?
  3. Que compromissos e responsabilidades, como discípulos missionários queremos renovar no Ciclo do Natal?
  4. Temos consciência da centralidade do mistério de Jesus Cristo nas festas que seguem o Natal? ou para nós o dia 1º de janeiro é apenas o início do novo ano civil e a Epifania é apenas a festa dos Reis Magos? O que, como comunidade, podemos fazer para estarmos mais atentos à centralidade destes dias festivos?