ZENIT - O mundo visto de Roma

Fides News Português

Gaudiumpress Feed

1 de novembro de 2007

Refletindo sobre o evangelho

A liturgia deste domingo nos convida a celebrar solenemente a Festa de Todos os Santos e Santas de Deus. É a plenitude da Vida e da Santidade de Deus, manifestada em seus filhos, os santos da Igreja. O Concílio Vaticano II afirma que "todos são chamados a Santidade e que ela promove um teor de vida mais humano" (LG 39 e 40). Mas seria importante perguntar: O que significa ser Santo? O Evangelho indica um caminho para a Santidade: o das "Bem-Aventuranças". O início do Cap. 5 (v.1) mostra a quem se destina essa boa notícia: às multidões vindas da Síria, Galiléia, Decápole, Jerusalém, Judéia e do outro lado do Jordão (Lc 4,24-25). Há gente vinda de todos os lugares. Isso denota que a mensagem de Jesus não tem fronteiras. Vendo as multidões, Ele sobe à montanha, que, simbolicamente, é o lugar de Deus e do encontro com Ele. A montanha recorda o Monte Sinai, local onde foi selada a aliança com o povo hebreu que saiu da escravidão egípcia. Foi aí que Moisés recebeu o Decálogo (os Dez Mandamentos).

Jesus, portanto, ao entregar para a Comunidade Apostólica, o dom das Bem-Aventuranças, Ele vai formando uma nova consciência e uma nova mentalidade; ele vai inaugurar a Nova Aliança com os pobres e marginalizados, revelando que Deus fez sua opção por eles. O clima dessa Nova Aliança e dessa nova mentalidade é o da confiança ilimitada que circula entre Deus e seu povo. De fato, no tempo do deserto, o povo hebreu devia permanecer longe do monte Sinai, sem se aproximar. E Deus falava ao povo por meio de Moisés. Aqui, os discípulos se aproximam do Mestre na montanha, e Deus lhes fala em Jesus – o Emanuel –, que, sentado, ensina como Mestre que tem autoridade.

As bem-aventuranças são propostas de felicidade. Jesus simplesmente constata a situação do povo que o segue (pobres, afligidos, despossuídos [= mansos], famintos), percebe o esforço que fazem para mudar a situação (misericórdia/solidariedade, pureza de coração, promoção da paz), conhece as dificuldades e perseguições que enfrentam para criar a nova sociedade e os proclama felizes, herdeiros do projeto de Deus.

As Bem-Aventuranças que Jesus entrega no Sermão da Montanha são um itinerário de vida, uma nova maneira de pensar, são propostas de felicidade e de santidade. Por isso uma pessoa bem-aventurada é uma pessoa feliz. Vejamos uma breve síntese de cada bem-aventurança:

- Os que têm um Coração de Pobre: Os que decidem não possuir nada para si e colocam tudo o que têm à disposição dos outros. É o desapego das riquezas, que devem ser partilhadas.

- Os Mansos: Não se resignam, mas recusam-se a recorrer à violência para restabelecer a justiça.

- Os Aflitos: Os que sofrem numa sociedade dominada pela injustiça, mas esperam de Deus a Salvação.

- Os que têm Fome e Sede de Justiça: lutam por uma sociedade mais justa. Para nós, a justiça é feita quando o culpado é castigado; para Deus, quando o mau se torna justo.

- Os Misericordiosos: os que se esforçam para que as pessoas necessitadas encontrem o que precisam. São solidários, pessoas vêem a miséria do outro com o coração.

- Os Puros de Coração: Os que têm um coração íntegro, não amam ao mesmo tempo Deus e o dinheiro. Puros no olhar, no falar, no agir, no vestir...

- Os Pacíficos: Os que promovem a "Paz" (Shalom): o Bem-estar total, harmonia com Deus, com os outros e consigo mesmo e com a natureza.

- Os Perseguidos: Os que sofrem por sua fidelidade ao Senhor. "Alegrai-vos, exultai, porque será grande vossa recompensa no céu."

    Assim, a Santidade "passa" pelo encontro profundo com Jesus, incorporando na vida a sua vida, sua história e a sua missão. Ser SANTO significa que não tem nada de imperfeito, de fraco, de precário. Neste sentido, só Deus é santo. No entanto, por graça de Deus, participamos da sua Santidade e nos unimos a todos os irmãos e irmãs. Contudo ela manifesta-se como uma participação na vida de Deus, que se realiza com os meios que a Igreja nos oferece, especialmente com os Sacramentos. Sendo assim, Santidade não é fruto do esforço humano, que procura alcançar Deus com suas forças; ela é dom do Amor de Deus e resposta do homem à iniciativa de Deus. Busquemos a Santidade de Deus e o mundo será melhor.



(reflexão enviada por frei João)