ZENIT - O mundo visto de Roma

Fides News Português

Gaudiumpress Feed

19 de junho de 2007

Um poema de amor


Vem luz divina


Úteros alados, parindo flores coloridas, enfeitam a tenda do encontro.
Encontro do prazer e da felicidade da bem aventurança do desejo realizado.



Vem, Luz Divina, em forma de emoção!

Canta ao mundo a felicidade e o amor sem restrição,

Pares inseparavéis na completude da vida universal.


Vem, Luz Divina, essência do meu ser!

Faze-me inteira na relação com o outro.

Apazigua meu corpo, minha mente e minhas emoções.

Apazigua o meu desejo de identificação.


Quero ser taça transbordante para realizar a doação.

Quero ser taça vazia, para receber com emoção.

Satisfaz o meu desejo de ser una com o Universo.

Meu desejo de plena e total realização.


Vem, Luz Divina!

Vem!

Torna-me puro amor e compaixão!




Poema escrito por: Ilvis Ponciano/CE

Uma antropologia do desejo - baseado em Jean-Yves Leloup